Categoria: Wedding Inspiration

A Summer Camp Wedding by Fotografamos

Real Wedding Things I love Wedding Inspiration

A Summer Camp Wedding by Fotografamos

Loads of brides and grooms end up having the regret of not having spent enough time with everyone on their wedding day. Today, we bring you a fun, amazing and beautiful example of how to go around that in the best way possible, and that will make you re-think one-day parties: A full-weekend grown up Summer Camp Wedding! 

So get ready to some out-of-this world rebel(ness), all thought and planned by our bride and groom Jacob and Susannah and captured by our vendors Fotografamos.

Fotografamos_Susannah and Jacob_Camp Wesayaydoo (017 of 81)

Meet today’s bride and groom

Susannah and Jacob define themselves as adventurous, outdoorsy and artistic. Both had lived together before they started dating (as roommates!) and, it wasn’t until Susannah moved cross-country for business school that Jacob realized just how much he liked her.

He proposed in the middle of a geothermal valley in the mountains of Iceland after they had just enjoyed a leisurely hike and a swim in some hot springs. “Because we were travelling in a remote location with no phone service, we got to enjoy the engagement all to ourselves for a couple days. It was great!” – Susannah told us at Sweet Rebel Bride.

 

And so the planning began

Fotografamos, our vendors who beautifully told their story through their images, shared that what made them fall in love with this wedding from two years ago was the genuine side of it. They didn’t worry in organising a magazine wedding day, but something that truly reflected their personalities. “Not only did it show who they are and where they came from, but it also generated the feeling and bonding of being part of a tribe.” And how did they get that? Through an amazing Summer Camp Wedding in North Carolina at Camp Wayfarer!

“We wanted our wedding to be a time for our friends and family to hang out together. Plus, we wanted the time and space to do all that too. We didn’t want to be kept sequestered away missing quality time with our people. Taking over a summer camp for a weekend gave us the perfect opportunity to eat, drink, and play together. We branded our wedding weekend as Camp Weesayaydoo (“We say I do!”) and had a lot of fun playing with that theme.”

Fotografamos_Susannah and Jacob_Camp Wesayaydoo (005 of 81) Fotografamos_Susannah and Jacob_Camp Wesayaydoo (023 of 81)

 

How you can do it in style

“The best part of our wedding was that it was really just a weekend of adult summer camp that happened to have a wedding ceremony at the end. We split our guests into 4 color war teams, which could earn points and merit badges over the weekend. Campers earned points in a cardboard boat regatta, pub quiz, riflery/archery, and field games. After 3 days of activities, we tallied up the points and announced our winners at the wedding dinner.” 

Fotografamos_Susannah and Jacob_Camp Wesayaydoo (030 of 81) Fotografamos_Susannah and Jacob_Camp Wesayaydoo (032 of 81) Fotografamos_Susannah and Jacob_Camp Wesayaydoo (034 of 81) Fotografamos_Susannah and Jacob_Camp Wesayaydoo (036 of 81) Fotografamos_Susannah and Jacob_Camp Wesayaydoo (037 of 81)Sus and Jacob Blob 01Marina and Pedro from Fotografamos also shared their fav memories from those three days, like waking up to the sound of really loud speakers playing Hound Dog by Elvis Presley, the feeling of roasting marshmallows on the campfire, seeing friends and family participating on every activity despite of age or any physical limitations. Joining everyone in choosing flowers for the wedding decor, building the cardboard boats and cheering for their teams. “The relaxed feeling that ruled over the entire weekend was just fantastic.”

Adding to that, S&J also shared that “one unique event that we talk about often is our Camp Talent Show that we had instead of a rehearsal dinner. It featured our guests’ musical, comedic, and culinary talents! It was really amazing to see what people crafted on stage.” 

Fotografamos_Susannah and Jacob_Camp Wesayaydoo (048 of 81) Fotografamos_Susannah and Jacob_Camp Wesayaydoo (046 of 81) Fotografamos_Susannah and Jacob_Camp Wesayaydoo (043 of 81) Fotografamos_Susannah and Jacob_Camp Wesayaydoo (047 of 81)

When we asked them if there was anything they’d do differently, they were also really quick on the answer: “Nope! In fact, we’ve thought about having a 10 year anniversary party to invite everyone back to camp for a reunion.”

Fotografamos_Susannah and Jacob_Camp Wesayaydoo (068 of 81)Fotografamos_Susannah and Jacob_Camp Wesayaydoo (069 of 81) Fotografamos_Susannah and Jacob_Camp Wesayaydoo (071 of 81)The couple saved money by having their family making their wedding dessert (lemon squares and s’mores instead of cake), and their friends helped with DIY decorations and music during the weekend. Also, Jacob designed/crafted their website and invitations himself!

Marina and Pedro also shared that they learned a very valuable lesson from this wedding when it comes to all of the prep they did. “Everything was done with so much love, and everyone just wanted to enjoy every second and have the best experience possible. And when it is made with love, there is no way it can go wrong! We thought it was extremely courageous of Susannah and Jacob to let their friends and family help on the decor without any supervision, we loved the way they accepted that due to bad weather, the ceremony would be done inside instead of outside, and the staff at the summer camp was just incredible in doing so that everything went perfect. We are really grateful for their invitation, for the time we spent together, and for them having brought us from Portugal to the USA.”

Fotografamos_Susannah and Jacob_Camp Wesayaydoo (053 of 81) Fotografamos_Susannah and Jacob_Camp Wesayaydoo (054 of 81) Fotografamos_Susannah and Jacob_Camp Wesayaydoo (058 of 81) Fotografamos_Susannah and Jacob_Camp Wesayaydoo (057 of 81)

As for higher costs, according to the bride and groom, “we splurged when it came to cocktails and music. We wanted folks to enjoy some great drinks while dancing to some well-curated songs!”. 

We at SRB see nothing wrong with that! Can we please go to your 10th anniversary? 🙂

Fotografamos_Susannah and Jacob_Camp Wesayaydoo (063 of 81) Fotografamos_Susannah and Jacob_Camp Wesayaydoo (065 of 81)

 

A message to all rebel couples out there from S&J

“First of all, weddings are for both the bride and groom. We took both equal parts in planning our wedding just as we want equality in our marriage. We took on areas where we were strong and let the other person take the lead in areas where they excelled. Jacob is the visionary and artistic crafter and I am strong on logistics and planning for details.

We recognized our wedding as a rare occasion for all of our families and friends to be together in one place. We think it’s a great opportunity to create an event that gets people interacting with one another, utilizes their unique skills or talents, and maximizes your time to hang out with all of them.

Don’t feel like you have to do something because it’s traditional or expected. This is the time to do you.”

Thank you Jacob, Susannah, Marina and Pedro for sharing this amazing weekend with us! You brought gigantic inspiration to our SRB tribe, and since there are several beautiful Summer Camps throughout our beautiful country as well, maybe you have inspired some other rebels to do the same as you did!

We wish you all happiness in the world… and beyond!


Full gallery bellow!

Credits:

Photography: Fotografamos | Wedding venue and reception: Camp Wayfarer — Flat Rock, North Carolina USA | Wedding Dress: BHLDN | Accessories: Made by step-mother of the bride | Shoes: Repurposed Nine West wedges | Grooms Attire: New suit and tie | Transport: N/A | Flowers: Full Sun Farm | Stationery: Created by the groom | Cake: Made by family and friends | Décor: DIY | Music: Tiffany Thompson

Assinatura_AL

***

Muitas noivas e noivos, depois de passado o grande dia, acabam por ter o arrependimento de não terem estado tempo suficiente com os convidados no casamento. Hoje trazemos-vos uma alegre e espectacular alternativa que vos vai fazer repensar os casamentos de um só dia: Um fim-de-semana em modo Campos de Férias para adultos!

Com isto, preparem-se para inspiração rebelde como não há igual, planeada pelos nossos noivos de hoje Susannah e Jacob e fotografada pelos nossos fornecedores Fotografamos.

 

Quem são estes noivos rebel?

A Susannah e o Jacob definem-se como aventureiros, apaixonados por actividades ao ar livre e muito artísticos.

A relação deles começou com uma bonita amizade, já que foram colegas de quarto antes de começarem sequer a namorar, e foi só quando a Susannah se mudou para a outra ponta dos Estados Unidos que o Jacob se apercebeu de que gostava mesmo dela.

O pedido surgiu no meio de um dos vários vales geotérmicos da Islândia depois de uma bela caminhada e mergulho numa caldeira termal. “Como estávamos a passar tempo numa área mais isolada da Islândia, sem acesso telefónico, acabámos por aproveitar o pedido de casamento só os dois durante alguns dias. Foi fabuloso!” – partilhou a noiva com a SRB.

 

E assim começou o planeamento

Os Fotografamos, que lindamente contaram a história deste fim-de-semana de há dois anos atrás com as suas imagens, partilharam connosco que o que os fez apaixonar por estes dias foi o lado verdadeiro e único de todos aqueles momentos. “A Susannah e o Jacob quiseram fazer uma festa à medida deles, quiseram verdadeiramente integrar a família e criar memórias felizes. Não se preocuparam em organizar uma festa para ser capa de revista mas sim para ser fiel ao que eles são. Quiseram que o casamento deles fosse um marco em que finalmente os amigos e a família se poderiam conhecer e criar laços. O casamento deles simbolizou a união deles mas também de toda a tribo e isso é maravilhoso.”

E tudo aconteceu debaixo da temática de Casamento em modo Campo de Férias, na Carolina do Norte, no Camp Wayfarer!

Segundo os noivos, o que os levou a este tema foi o facto de quererem que “o casamento fosse especialmente sobre termos tempo de qualidade com todos. Alugar um Campo de Férias deu-nos a oportunidade de comer, beber e fazer jogos. Criámos uma marca própria para o fim-de-semana, chamada de “Weesayaydoo” (“We say I do!” – “Nós dizemos sim”) e divertimo-nos ao máximo com o tema”

 

Como tudo se faz em grande estilo

“A melhor parte do nosso casamento foi o facto de que foi um Campo de Férias para adultos a 100%, com uma cerimónia no final. Dividimos os nossos convidados em quatro equipas com cores diferentes, e cada uma podia ganhar pontos e emblemas de mérito durante o fim-de-semana. Os acampantes puderam mostrar o que valiam ao construírem barcos de cartão para uma competição aquática, em quizzes de cultura geral, com tiro ao alvo e tiro com arco, e várias gincanas. Depois de 3 dias intensos de actividades, juntámos os pontos e anunciámos os vencedores durante o jantar de casamento!”

A Marina e o Pedro dos Fotografamos também partilharam os seus momentos preferidos, como o acordar matinal ao som (bem alto) da Hound Dog do Elvis Presley; o prazer em assar marshmallows numa fogueira, bem ao estilo Americano; ver os amigos e a família dedicados a todas as actividades, independentemente da idade ou limitações físicas.

Adoraram ajudar a colher as flores para o grande dia e construir os barcos de cartão, assim como gritar pelas suas equipas para que ganhassem as várias competições. “O tom relaxado, despretensioso e maravilhoso que se sentia no ar! Tantas memórias maravilhosas!”
A juntar a isto, a S&J também partilharam que um dos momentos preferidos dos dois foi o show de talentos que organizaram em vez do típico jantar de ensaio que se faz nos EUA. ” Os nossos convidados mostraram o que valiam desde canções a stand up comedy, a mestria culinária! Foi incrível ver o que as nossas pessoas conseguiam fazer em palco em tão pouco tempo!”.

Quando lhes perguntámos se havia alguma coisa que mudariam, a resposta foi rápida: “Nope! Na verdade, até estamos a pensar em fazer o nosso 10º aniversário novamente ali e convidar toda a gente para uma reunião e mais jogos de equipa!”

O casal poupou dinheiro com a ajuda da família que fez as sobremesas (quadrados de limão e s’mores em vez de bolo), e todos os amigos ajudaram com os DIY de decoração e com a música durante o fim-de-semana.

Para além disso, o Jacob foi o responsável por criar um site do casamento e por desenhar todo o estacionário sozinho!

A Marina e o Pedro também partilharam connosco a lição mais valiosa que aprenderam durante o tempo que passaram com os noivos e amigos no Camp Wayfarer: “A Susannah e o Jacob prepararam tudo com muito carinho e sabemos que, quando nos empenhamos assim num projecto, queremos que ele corra na perfeição – de tal forma que muitas vezes ficamos ansiosos quando não corre exactamente como queremos. Sentimos que, durante o tempo que lá passámos, todos estávamos empenhados em que todos tivéssemos a melhor experiência possível. Achámos incrivelmente corajoso da parte deles deixar os amigos e família fazer a decoração sem qualquer supervisão. Achámos maravilhoso a tranquilidade com que aceitaram que não se poderia fazer a cerimónia lá fora devido ao mau tempo e se pôs em acção o plano B de fazer a cerimónia dentro de portas. Achámos fantástico o quanto a equipa do campo de férias e todos os amigos se esforçaram para que no final tudo corresse como eles mereciam. Estamos-lhes muito gratos pelo convite de nos levarem aos Estados Unidos para fotografar o casamento deles, mas principalmente por nos terem proporcionado um fim-de-semana recheado de amor, carinho, amizade e memórias inesquecíveis.”

Para finalizar, os maiores custos do casamento segundo os noivos foram para as bebidas e para a música do grande dia. “Para nós era mesmo importante que nada faltasse e que toda a gente dançasse até cair!”.

Nós na SRB não vemos nada de mal nisso! Podemos juntar-nos a todos na festa dos 10 anos? 🙂

 

Uma mensagem dos noivos aos rebels desse lado

“Antes de mais, os casamentos são dos noivos e das noivas de igual modo. Nós investimos igual tempo e esforço na preparação do nosso casamento, tal como investimos igual dedicação no nosso amor. Decidimos dividir para cada lado as tarefas em que éramos mais fortes para podermos liderar da melhor maneira possível. O Jacob é o visionário, o artista e o melhor em trabalhos manuais e eu sou melhor na logística e no olho para o detalhe.

Reconhecemos que o nosso casamento era uma ocasião rara para podermos juntar todos aqueles de quem realmente gostamos e achámos que seria uma excelente oportunidade de criar um evento que metesse todos a interagirem uns com os outros.

Não sintam que têm de fazer o que é tradicional e esperado. Esta é a altura para mostrarem quem são enquanto casal.”

Obrigada Jacob, Susannah, Marina e Pedro por partilharem connosco este fim-de-semana incrível. Trouxeram uma grande dose de inspiração à SRB, e já que em Portugal também temos muitos campos de férias maravilhosos, acreditamos mesmo que muitos noivos deste lado que vos acabaram de ler sentiram a mesma brisa de inspiração.

Ao casal, desejamos toda a felicidade do mundo… e mais além!

Vejam a galeria completa acima!

This is Rebel: Disney on your Religious ceremony? Yep!

This is Rebel Wedding Inspiration

This is Rebel: Disney on your Religious ceremony? Yep!

I can’t post it just yet, because it happened just last Saturday July 30th and I haven’t had the time to edit the photos, but as soon as it happened, I knew it was one of the most rebel things I had ever experienced during a religious ceremony.

So I was photographing the wedding of one of my beloved couples from this year at Arcos de Valdevez, and suddenly, during one prayer moment, where no one speaks and only music plays, the choir in which the sister of the bride was playing the cello, starts playing something that was absolutely familiar to me. It brought me to my childhood dreams while watching Walt Disney movies. My head started ticking, and it took me a while to get there, because it was not on the context it normally is… and then finally it came to me: we were listening to Beauty and the Beast’s main romantic song “Tale as Old as Time”, played with a cello, guitar and harp. No voice, just a beautiful melody, filling the church and echoing outside.

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=uQ0ODCMC6xs]

I have to confess, I cried at that moment, and me and the bride exchanged looks. She was so happy to have a song that meat the world to her on that moment. It was her way, her thing, her personality, shining for everyone to listen. She winked at me, and I knew from that moment, that she was a rebel.

Featured Image and video: Beauty and the Beast by Disney.

Assinatura_AL

***

Ainda não tenho imagens para partilhar, porque este momento passou-se no passado Sábado dia 30 de Julho e não tive ainda tempo de respirar para editar, mas assim que aconteceu, eu sabia que era das coisas mais rebel que já tinha visto acontecer numa cerimónia religiosa.

Estava eu calmamente a fotografar o casamento de um dos meus casais deste ano, numa igreja no Norte, em Arcos de Valdevez, quando num momento de oração inicia-se uma música, tocada pela irmã da noiva em violoncelo. De repente, aquele som era-me totalmente familiar, e transportou-me para tempos nostálgicos da minha infância, de quando eu via os filmes da Disney e sonhava com um dia ser uma princesa. A princípio não reconheci logo, porque estava fora de contexto (a soar numa igreja), mas depois rapidamente reconheci a melodia da música principal da Bela e o Monstro – “Sentimentos”. Não havia voz, apenas um lindo instrumental acompanhado também de uma harpa e guitarra, que ecoava pela igreja, desde o chão até ao tecto, flutuando depois com a brisa que passava lá fora.

Eu confesso, que como grande mariquinhas que sou, soltei algumas lágrimas, e eu e a noiva trocámos olhares. Ela estava tão feliz por ter uma canção naquele momento com que verdadeiramente se identificava. Que era ela, à maneira dela, a personalidade dela, a brilhar para todos ouvirem. Ela piscou-me o olho, e naquele momento, eu sabia que ela era uma rebel.

Summer fruits: Why not having a Raspberry themed party?

Food Wedding Inspiration

Summer fruits: Why not having a Raspberry themed party?

When I discovered that today was Raspberry Day my brain began to swirl with all the delicious things I have tasted with this fruit. And then I thought, if we can have a Star Wars, Harry Potter, Movies, Books or Flowers themed wedding, why not pick our most favorite fruit and make it as much of an inspiration as everything else?

Raspberry_FlavourFactory

I am one to give meaning to pretty much everything that touched my heart, but I also like to find out the meanings out there. As it turns out, Raspberry is a very meaningful fruit:

Raspberry symbolizes kindness, patience and fertility. From the cane to the leaves and the fruit itself, all of Raspberry elements have a mission. The cane was used in Germany to calm the horses and in Philippines to keep bad spirits away. The leaves used to make tea which had healing and therapeutic powers. The fruits were a symbol of fertility, due to their shape and seeds. The thorns symbolize protection of what is yours, your heart, your beloved, your children. The Raspberry plant and fruits combine delicacy with strength and power.

With a perfect dark-blush-red color, the ideal balance between sweet and acidity, if this fruit is one of your favourites, it could be a perfect inspiration for your engagement or wedding party. I leave you with a few images that will most certainly inspire you.

If you feel like it is too much for your wedding, why not having this as a decorative element for the first dinner or lunch you host at your new home for your parents, in-laws and brothers or sisters? I know I would attend that party!

My recommendation for you today, go to the supermarket and buy yourself a little box of raspberries. Sit somewhere nice and delight yourself with the flavour. And if you are in Lisbon, stop at Santini‘s for a scoop of their Raspberry sorbet. Start your week in the most delicious way.

Images: 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |  8 | Featured | Text

assinatura_pv

***

Quando soube que havia um dia dedicado à Framboesa, comecei imediatamente a pensar em todas as coisas deliciosas que já comi com este fruto, um dos meus eternos favoritos. E derrepente ocorreu-me que, se podemos ter um casamento inspirado no Star Wars, Harry Potter, Cinema, Livros ou Flores, também podemos inspirar-nos na nossa fruta favorita. Certo?

Como ainda por cima gosto de dar simbolismo e significado às coisas que me tocam o coração, resolvi espreitar o que significa a framboesa. Fiquei surpreendida.

A Framboesa simboliza bondade, paciência e fertilidade. Desde o seu tronco, às folhas, aos frutos, todos os seu elementos têm uma missão. O tronco era usado na Alemanha para acalmar os cavalos e nas Filipinas para afastar os espíritos maus. As folhas usadas para fazer chá para tratar e curar problemas de saúde. Os frutos simbolizavam fertilidade pelo seu aspecto grumoso e demultiplicação, assim como pelas suas sementes. Os espinhos são proteção do que é precioso, do coração, do amor, do/a amado/a, dos filhos. A planta e frutos da Framboesa combinam simplicidade com força.

A sua cor vermelho-rosado tem a força para trazer um elemento vibrante à vossa festa, e o equilíbrio de acidez com doçura, tornam-na ideal para sobremesas e bebidas. Deixo-te acima algumas imagens que te podem inspirar e fazer sonhar um bocadinho.

Se mesmo depois disto achas que não faz sentido usá-lo como decoração de casamento, porque não usá-la para o primeiro jantar ou almoço na vossa casa nova, com os pais, amigos e familia mais chegada? Eu adoraria ir a essa festa!

Deixo uma última recomendação:

Passa pelo supermecado e compra uma caixa de framboesas e saboreia-as delicadamente. E se estás por Lisboa, dá um pulo à Santini, no Chiado, e pede o sorbet de framboesa. Nada como começar a semana de forma deliciosa.

My Grandmother: the first rebel bride I’ve ever met

Wedding Inspiration

My Grandmother: the first rebel bride I’ve ever met

My grandmother Olga had a first marriage when she was younger. It is said that he was a very mean man who didn’t let her grow as a woman, and that she left him to find a better life, where she could hope to be fully happy.

She met my grandfather a few years later at Santa Maria island (Azores), and it is also said that the sparks in their eyes when they looked at each other for the first time were the true meaning of love.

Like two souls that were meant to coexist as one, they decided it only made sense that they’d grow old together, have babies, and build a story like no other. Together they had 5 children, my mom being the youngest. They were not rich, but made just enough to raise their kids properly, fully clothed, with studies and loads of love and freedom.

But life wasn’t always easy, as fairy tales don’t happen all the time everyday and her first husband refused to give her the divorce over and over again, bringing sadness to her poor heart.

I always get a funny reaction when I tell people that I attended my grandparents wedding. I did. I was lucky enough to, by the age of 4, meeting the first rebel of my life, and witnessing the knot of the first couple who make me believe in love and marriage surpassing all battles society and culture can create.

When her first husband passed away, she had 19 grandchildren already, she was old, but still believed in marriage and my grandfather proposed. I don’t remember the wedding day exactly, but I recall a family lunch at one of my uncles home, and everybody being really happy.

She didn’t need to get married to prove anything. She had had 5 children, she had been an amazing life companion, and still, it only made sense that she’d say “I do” to the true love of her life. She was a rebel because she still made what her heart told her to.

What a lucky man was grandpa Zé, and what a rebel was my grandma Olga.

Assinatura_AL

***

A minha avó Olga casou-se ainda nova. Costuma dizer-se que ele, o marido, era um homem mau e que não a deixava crescer enquanto pessoa, e que ela o deixou, fugiu para tentar encontrar uma vida melhor, na esperança de que a felicidade também fosse para ela.

Ela conheceu o meu avô mais tarde na Ilha de Santa Maria (Açores), e também se diz que a química que se sentiu quando os olhos dos dois se cruzaram pela primeira vez foram o verdadeiro significado do que é o amor.

Como duas almas que estavam destinadas a coexistir, eles decidiram que só fazia sentido crescerem juntos, terem bebés, e construírem uma história como nunca se viu igual. Juntos, tiveram 5 filhos, sendo a minha mãe a mais nova. Não eram ricos nem nada que se parecesse, mas tinham o suficiente para criar os filhos, vesti-los, dar-lhes escola e muito amor e liberdade.

Mas a vida não foi sempre fácil, tal como os contos de fadas não funcionam a toda a hora. O primeiro marido recusou-se a dar-lhe o divórcio uma e outra vez, trazendo tristeza ao pobre coração da minha avó.

Eu costumo receber sempre uma reacção de surpresa quando digo às pessoas que fui ao casamento dos meus avós. É que fui mesmo. Tive a sorte de, com 4 anos de idade, testemunhar aquele que seria o primeiro casamento rebel da minha vida, com a noiva mais rebel que alguma vez conheci. Eles são e sempre foram quem me faz acreditar no amor e no casamento que ultrapassa todas as batalhas que a sociedade e a cultura podem criar.

Quando o primeiro marido da minha avó faleceu, ela já tinha 19 netos, era já idosa, mas ainda assim acreditava no casamento, e o meu avô fez o pedido. Eu não me lembro exactamente do dia do casamento, mas lembro-me de um almoço de família na casa de um dos meus tios, e que toda a gente estava verdadeiramente feliz.

Ela não casou para provar o que quer que seja. Ela tinha 5 filhos, tinha sido uma companheira maravilhosa, e ainda assim, fazia-lhe todo o sentido casar com o homem da sua vida. Ela era uma rebel porque fez o que o coração lhe mandou.

Que homem sortudo era o meu avô Zé. E que rebelde que era a minha avó Olga.

ALL or NOTHING syndrome: How NOT to get carried away by what your wedding doesn’t need

Friends&Family Nightmares Organization & Planning Wedding advices Wedding Inspiration

ALL or NOTHING syndrome: How NOT to get carried away by what your wedding doesn’t need

When I was engaged and during planning, some of the phrases I’d hear the most whenever in doubt for something for the wedding would be “it’s a one day in your life”, “it’s a day that will never be back”, “go all the way, you’ll never be a bride again”.
Those phrases would actually cause anxiety in me, as they caused the feeling that I would miss out or regret not doing or having something on our day.
Eventually, I had to put an end to it for my mental sanity. Being a bride can be really exhausting, and although we want to be nice to everyone and thank everyone for their ideas, there has to be a moment we put a stop to it and go with our guts. With what makes sense to our hearts.
When I come to think about it, there was this one thing that really was the stamp and the moment where I recovered my mental health again…

 

My SHOES

Yep, that’s right. My shoe choice was what brought me back to me and to what I wanted for my wedding. It could have been something else, sure, but it works differently for everyone, and that is what makes this fun.
In my case, I’ve always been simple in my choices. We wanted a very simple wedding, DIY, where music was the focus. That is how the idea started.
Then, as we began sharing our ideas, we started to get overwhelmed with the “oh, c’mon, it’s your wedding day, not a regular party, bling that up a bit”, or “really, you are not having flowers on your wedding, how can that be? Never heard of a wedding with no flowers! Save some of your money for that, please”. I’ve never been that type of person who gets easily influenced, but when it comes to weddings, it is very common to see brides having new necessities created by those who mean to them, and here, I was no exception. So little by little, I started needing a piano player for the cocktail, flowers everywhere, furniture to cover places that were more empty, a bathtub just for the fun of it that we’d fill with ice and gin bottles, I started worrying that people might not like this or understand that and all of the sudden, I was flooded with “important” things in my mind that I had never considered before.
But as I started this topic, shoes were what brought me back to being myself: My bridesmaid Andreia is a fashion guru. She has really good taste, and has beautiful shoes for every occasion, so it was only normal that she’d advise me that my shoes should make a statement when I walked in. At first, I told her “Nah, my dress is big enough, no one will look at my shoes, and that is not an expense I want to worry about”. “Ana Luisa, you only get married once, shoes are such an important thing on a bride and looking good”. And she is right, I know this. But it just wasn’t important to me… until I started to get obsessed with shoes that would make a statement.

 

How the madness ended

I am a big feet girl. Like, my feet are really huge, which makes it very hard to find some that look good on me. Most shoes look beautiful in smaller sizes and look kinda freaky when made bigger. As I was doing my search, a lot of my energy was put into it and I kept on finding shoes and sending pictures of them to my bridesmaids and the answer would be “nope”, “too simple”, “weird”, “You can do better” until one day, after gym, I passed by a shoe store that was in sales, and I saw them. Simple, not expensive, and exactly what Ana Luisa from a few months ago would have bought as her statement shoes. I thought to myself “That’s it, I will stop this nonsense and go with my guts”. I bought them (ahem, for 12.99€), and I felt really good about myself on that moment! It is not the fact that they were cheap, because my message today is not about asking you to go low cost. What I mean is the part where I felt really good with my choice. They could even have been 150€ if I had loved them. It’s not what matters today. They were sweet, my size, the kind that I liked, simple, comfy, and I am actually wearing them today as I write you, which was another thing I really wanted.
After that, I decided to breathe and make a lot of decisions that would make our life easier: no piano player, no extra furniture, damn, no flowers, and yes, my shoes were simple, but were exactly what I wanted.

 

Tip for my brides as a wedding photographer

It was easy to give advices before being engaged on “It has to be what you want and makes you happy”. But now that I’ve been on that situation, I really mean what I say. I have more empathy with my brides now that I’ve been through the process that leads to the wedding day. It is very common to me to have them telling me what bothers them, sometimes I go with them to their dress fittings, and it is now part of who I am to also calm them down on problems they are finding along the way until the aisle.

Most of it actually is about todays post. Them wanting it all, even what they after realize they don’t need. A friend of mine shot a wedding once (and I always use this example) where when the bride looked at herself in the mirror after prepping, she started having a panic attack because it was just too much. She had been influenced on having a big hair, being big on makeup, big dress, statement shoes, out of this world bouquet, and when she put everything together, it was just not who she was.

I have nothing against going big, as long as it is what the bride really wants, and not what she was influenced to have by the people who mean to them. (Oh, and that bride eventually looked like how she wanted. In her case, she needed to simplify it with her glam team until she felt like her true self).

So my first question to my brides as soon as they get engaged is “How do you see yourself on your wedding day?”. Then, I ask them to take notes of that, so that whenever they are caught on a situation of rather huge exterior influence, they can look at what they wrote and keep track of their initial dream. Of course things can change, and when you really enter the wedding prep world a lot of new things you didn’t know existed appear in front of you, but having that first dream in hand can really help balancing between the first idea and the new things.

The second question is “In the end, when you look back at your wedding photos, what do you wish to see there?”

This could make it a lot easier on the choices! And the answer is always “I want to look happy” and that really only depends on you, and being true to yourself at all times.

 

What happened to me in the end

I wore my red dress, the shoes I wanted, and yeah, a few things changed along the way, like my hair, which I had two different styles, that still were me, but that gave that bling to how I looked. And this was actually not my idea, and I loved it.
I ended up having (a few) flowers, which I agreed made it all look prettier and a few little things my wedding planner thought of and that completed our day beautifully, but I am now relieved that we learned how to say NO to the things we really didn’t need.

 

My biggest lesson was that it doesn’t have to be ALL or Nothing. You will find true happiness in what is just the right amount for you. So hold that prep by its horns, and show (kindly) who the bride is.
Photos: Dreamaker
Assinatura_AL
***

 

 Quando fiquei noiva, e durante o planeamento, algumas das frases que mais ouvia em tempos de dúvida com alguma coisa para o dia do casamento eram “é um dia que só acontece uma vez”, “esse dia nunca mais vai voltar”, “faz à grande, porque nunca mais voltarás a ser noiva, aproveita”.
Estas frases na verdade causavam-me um grande grau de ansiedade e medo de me arrepender de não ter algo ou de fazer más escolhas.
Eventualmente, e pela minha sanidade mental, tive de tomar medidas que me protegessem destas três frases fatais para qualquer noiva. É que a preparação é algo de muito exaustivo, e embora quisesse ser querida com todas as minhas pessoas especiais e agradecer-lhes os inputs para o nosso casamento, a partir de um certo momento temos de começar a agir no que nos faz real sentido. No que faz o nosso coração cantar.
Quando penso no momento que foi a viragem da situação em que estava de “demasiada informação”, é engraçado, mas sei exactamente o que é que foi o meu grito do Ipiranga… 

 

Os meus sapatos

Yep, foi isso mesmo. A compra dos meus sapatos foi o que me trouxe novamente a minha sanidade mental de volta. Poderia ter sido outra coisa qualquer, claro, mas a piada está mesmo em sermos todos diferentes!
No meu caso, sempre tive em mente um casamento simples. Muito DIY, onde a música fosse o foco.
Depois, quando começámos a partilhar as nossas ideias, começámos a ficar sobrecarregados de informação e de “Oh, vá lá, é o vosso casamento, não é só uma festa, dá lá mais power nisso!” ou “Não queres mesmo ter flores no teu casamento? Nunca vi tal coisa!”
Eu nunca fui do tipo de pessoa que se deixa influenciar facilmente, mas no que toca a casamentos, é muito comum ver noivas com novas necessidades geradas por aqueles que lhes são mais especiais, e eu não fui excepção. Assim, aos poucos e poucos, comecei a precisar de uma pianista para o cocktail, flores por todo o lado, mobílias para as zonas mais vazias, uma banheira (só porque sim) cheia de gelo e garrafas de gin. Comecei a ganhar medos tontos de que se não fosse assim, as pessoas não iriam gostar, ou achar tudo demasiado simples. Estava verdadeiramente inundada de coisas “importantes” que nunca tinha antes sequer considerado.
Mas comecei este tópico a falar-vos dos meus sapatos me terem trazido novamente a “mim”: Uma das minhas madrinhas, a Andreia, é muito entendida em moda. Ela tem um excelente gosto, tem sapatos lindos para várias ocasiões e era normal que me aconselhasse a ter uns para o meu casamento que fossem uma assinatura da minha personalidade, que fossem mais “tcharan“. Ao princípio disse-lhe “Nah, não me vou preocupar muito com isso, quero algo muito simples“, mas depois, tornei-me verdadeiramente obcecada com encontrar os sapatos certos.

Como é que a loucura terminou

Eu tenho uns pés enormes. Mas mesmo, mesmo grandes para uma menina… e sempre me foi complicado e uma verdadeira frustração encontrar o que quer que seja para calçar, quanto mais para cerimónia, onde em pequenos são sempre bonitos mas em tamanhos grandes parecem uns barcos muito muito feios.
Sempre que encontrava algo possível, enviava às minhas madrinhas por mensagem, tinha as respostas delas, gastava toda a minha energia naquilo, mas estava mesmo destinada a não encontrar os tais “tcharan“. Até um dia, em que depois do ginásio, passei por uma loja que estava em saldos e vi-os ao longe. Eram simples, nada caros, e exactamente o que a Ana Luisa de há uns meses atrás teria escolhido. Calcei-os e pensei “É agora, Ana Lu. Vais acabar com esta loucura e vais terminar a saga dos sapatos imediatamente”. Então comprei-os (ahem, por 12.99€), e senti-me mesmo muito, muito feliz comigo mesma. A minha mensagem de hoje não é sobre optarem por low cost, atenção. É exactamente sobre encontrarem aquilo que vos faz felizes. Aquilo que vos dá o clique do “já está!” Podiam até ter custado 150€. Quando os calcei, eram aqueles. Era aquilo que eu queria. Aquele é o meu estilo e pronto. (E hoje estou com eles calçados e tudo!)
Depois disto, decidi respirar fundo e tomar uma data de decisões que tornariam a nossa vida mais simples: Nada de pianista, nada de mobílias extra, nada de flores, etc, etc.

 

O que tento passar a todas as minhas noivas enquanto fotógrafa de casamentos

Eu já dava alguns conselhos antes de estar noiva no que toca a “tem de ser o que te faz feliz e não o que te impõem”, mas depois de ter passado por um planeamento, depois de quase ter desistido de fazer o casamento 3 vezes pelas chatices da organização e por finalmente ter casado, ganhei uma empatia diferente com as minhas noivas. Conheço o processo, sei que não é só borboletas e magia, e tento estar lá para elas nos desabafos, na prova do vestido, e no dia, a acalmar qualquer situação que seja necessária.
O que noto, é que a grande maioria das preocupações têm a ver com o post de hoje. Com coisas que antes “não percebiam que afinal não precisavam”.

Uma amiga minha fotografou um casamento um dia (e eu partilho muitas vezes esta história), onde ao terminar de se arranjar, a noiva olhou para o espelho e começou a ter um pequeno ataque de pânico. Sentiu que estava tudo “demasiado” grande. Tinha sido influenciada a querer tudo e tudo em grande por ser um dia que só acontece uma vez, e tinha-se esquecido do que realmente queria inicialmente. O cabelo estava muito tcharan, a makeup estava tcharan, o vestido era tcharan, os sapatos eram tcharan, e ela queria na verdade muito menos. (Não se preocupem, com uma nova intervenção da sua glam team ela ultrapassou o sucedido e conseguiu um look onde se sentia confortável, mas poderia ter evitado o ataque de pânico).

Não tenho nada contra ser-se/ter-se “tcharan” no casamento (até gosto bastante), desde que seja o que a noiva realmente quer e não por influência externa.

Assim, um bom exercício que gosto de colocar quando a noiva vem ter comigo pela primeira vez e se desabafar sobre o assunto é “Como é que te vês no dia do teu casamento?”. Depois, peço-lhe que tire notas do que me acabou de dizer e que as guarde com ela religiosamente. Assim, sempre que se apanhar numa situação de dúvida, pode sempre olhar, ler, e seguir caminho confiante nas suas decisões.  Manter-se no caminho certo. É claro que muitas coisas mudam entretanto, especialmente quando já se vai em velocidade cruzeiro na preparação do casamento e somos alvos de tantas coisas lindas e novas que vão aparecendo em revistas e sites ou nos casamentos das amigas, mas um bom balanço entre o que queremos à partida e o que se nos é apresentado é o ideal.

A segunda pergunta é “Como é que queres olhar para trás para o teu dia, e rever-te nas tuas fotografias de casamento?”

A resposta normalmente é “Quero estar feliz”, e isso só depende das escolhas que fizer, e se se mantiver fiel a si mesma sempre.

 

O que aconteceu comigo no final

Vesti o meu vestido vermelho, calcei os sapatos que queria, e sim, mudei de ideia em algumas coisas pelo caminho, como no meu cabelo que acabou por ter dois estilos diferentes e que sinto que deu aquele bling bling que o meu look precisava (e a ideia não foi minha!). Acabei por ter (algumas) flores, que realmente deram um toque feliz à decoração, e cedi em algumas ideias da minha wedding planner que também tornaram tudo mais fácil e eficaz, mas estou orgulhosa por no final ter aprendido a dizer que NÃO e a largar aquilo de que não precisava.

A minha maior lição foi a de que não é preciso ir a extremos do tudo ou nada. Que vais encontrar a felicidade naquilo que é a quantidade certa para ti e para o teu casamento. Por isso agarra o planeamento pelos cornos, e mostra (de forma simpática) quem é que é a noiva. 

 

This is rebel: Magical Bride bachelorette t-shirts

Bridesmaids Organization & Planning Wedding Inspiration

This is rebel: Magical Bride bachelorette t-shirts

If you’ve read SRB for a while, you probably know by now that I am a huge Harry Potter fan (I even have two HP tattoos).

With that said, it only made sense to me to share these tank tops and t-shirts to help inspire whomever is on that side prepping the geekest bachelorette or bachelors party for a bride or groom who grew up fantasising about belonging to this magical world created by J.K.Rowling.

What I love the most about them is the usage of the Marauders Map famous quotes “I solemnly swear that I am up to no good”  (used to make the map show whomever was walking inside Hogwarts) for the Bride or Groom t-shirt/tanktop and Mischief Manager for the friends who are planning the parties (“Mischief Managed” would be the spell to turn the map back into a plain boring piece of paper). It just completely works with a Bachelorette/bachelors party and it’s so geek rebel all the way!

Credits: Magical Bride apparel from Harry Potter Generation

Assinatura_AL

***

Se já lêem a SRB há uns tempos, sabem que sou uma fã incondicional dos livros do Harry Potter (até tenho duas tatuagens inspiradas pelos livros e tudo).

Por isso, fez-me todo o sentido partilhar convosco estas t-shirts e tops alusivas ao tema para dar um bocadinho de inspiração a quem quer que desse lado esteja a preparar uma despedida de solteira/o para aquela noiva ou noivo que sempre fantasiaram com fazer parte do mundo criado pela J.K.Rowling.

O que mais gosto nestes artigos é a utilização das famosas frases do Mapa dos Salteadores “Juro solenemente não fazer nada de bom” para a camisola da noiva ou noivo (este feitiço fazia com que o mapa mostrasse o seu conteúdo), e “Mischief Manager” para os amigos que estão a proporcionar a festa (“Mischief Managed” ou “Travessura feita” fazia com que o Mapa do Salteador voltasse a ficar novamente em branco, como um simples e chato pedaço de papel). Funcionam perfeitamente para uma despedida de solteiro/a e é tão geek rebel!

Créditos: Merchandising Magical Bride da loja Harry Potter Generation

Rebel Crush of the week: Traditional wedding outfits from around the world

Wedding Inspiration

Rebel Crush of the week: Traditional wedding outfits from around the world

Weddings aren’t just about a bride getting married in a white dress (as we have stated here so many times), tradition varies from country to country, and being able to appreciate what the real tradition is, is a true breath of fresh air (and a true act of being a rebel, if I might say so.)

Today as I was strolling around some of the websites I like the most, this beautifully made article by Bored Panda caught my eye and made me share it with you today!

Have fun looking at other wedding traditions around the world, and please stop by BP to see the rest.

Credits: Featured Image: Bridal Trend Asia | Photos: 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11 | 12 | 13 | 14,  via Bored Panda

Assinatura_AL

***

Casamentos não acontecem só com noivas vestidas de branco (como já o dissemos tantas vezes aqui na SRB). A tradição é um bem maravilhoso também (eu sei, isto pode parecer controverso aos valores da Rebel, mas não é) e poder apreciar como é que ela varia de país para país no que toca à roupa dos noivos é também uma lufada de ar fresco aos vestidos brancos, e este artigo do Bored Panda que encontrei hoje fez-me perceber que a tradição também é muito rebelde.

Divirtam-se a aprender como se vestem os noivos que decidem ir pelo tradicional e contrariar o vestido branco pelo mundo, e espreitem os restantes no BP também!