Categoria: Wedding Inspiration

Geometric inspiration: 10 ideas that will make you love math

Things I love Wedding Inspiration

Geometric inspiration: 10 ideas that will make you love math

Geometry is a big thing right now, it’s everywhere you look.  My mild OCD side loves it. Straight lines, simple colours, the infinite possibilities and all things minimal. I know, you probably think this is mostly decor, but prepare yourself to be surprised.

And please check our Rebel Geometric board on Pinterest for additional inspiration.

But don’t just get my word for it, check it out!

Post_10_Favourites_geometric

1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10

***

Assinatura_JL

A geometria está em alta nos dias que correm, podemos encontrá-la em todo o lado. O meu lado ligeiramente DOC ( distúrbio obsessivo-compulsivo) adora esta tendência. Formas despojadas, cores simples, as imensas possibilidades para decoração, e tudo com um toque minimalista. Sei que provavelmente pensam que é só decoração, mas preparem-se para se surpreenderem.

E espreitem também o nosso Rebel Geometric Inspiration board no Pinterest para mais inspiração.

Mas não se fiem só no que eu digo, espreitem por vocês mesmos.

Something blue

Organization & Planning Things I love Wedding Inspiration

Something blue

Tradition says you gotta have something old, something new, something borrowed and something blue on your wedding day.

This tradition comes from an Old English rhyme: Something old represents continuity; something new offers optimism for the future; something borrowed symbolizes borrowed happiness; something blue stands for purity, love, and fidelity, and a rebel can follow tradition if she wants to, but no one said she can’t give it her own personal twist and do things in a way that keep being to herself.
Well, today I feel like starting by the end and give you some inspiration on what your something blue could be. And you know what? There are so many fun things you can do!
Enjoy looking at our 10 favs for this year, and if something else comes to your mind, please let us know on the comments section!
Post_10_Favourites
1|2|3|4|5|6|7|8|9|10
(Oh! and see more on our “Something Blue” board on Pinterest!)
Featured Image by Justin Demutiis via Style me Pretty
Assinatura_AL
***
A tradição diz que tens de ter algo de velho, algo de novo, algo emprestado e algo azul no teu dia de casamento.
Esta tradição vem de um velho ditado inglês, e a “coisa” velha representa continuidade, a “coisa” nova representa optimismo para o futuro, a “coisa” emprestada significa felicidade que vem dos outros e a “coisa” azul representa pureza, amor e fidelidade. Uma rebel pode estar dentro da tradição se assim o quiser, mas ninguém disse que ela não pode dar um twist pessoal ao que está já tão intrínseco e socialmente aceite e fazer algo que continue a ser fiel à sua personalidade!
Bem, hoje apeteceu-me começar pelo final e dar-vos alguma inspiração no que poderia ser a vossa “coisa” azul. E sabem que mais? Existem tantas ideias giras que podem concretizar!
Divirtam-se com os nossos 10 favoritos, e se se lembrarem de mais alguma coisa, por favor façam-nos saber na secção de comentários!
(Ah! E vejam mais exemplos de coisas azuis no nosso board de Pinterest!)
Featured Image de Justin Demutiis via Style me Pretty
A rebel real wedding in denim!

Photography Real Wedding Wedding Inspiration

A rebel real wedding in denim!

A rebel wedding doesn’t need to have elephants, sky jumping or people dressed in black to be a rebel wedding. It becomes rebel when you don’t go by the book, by what is socially accepted, and it can be really simple and still perfect. Catarina and Pedro had just what they needed to tie the knot, and that was love.

According to the blogger, “as a couple, we are simple but happy people. I am the rational one, more practical and organised. Pedro is sweet but a bit more complicated, and he always take the long way to get anywhere (which is kinda the only thing that annoys me in him!)”

This sentence stayed with us, engraved in our heads. Because we love real couples, and it is completely normal that each of them have their bickery things. And we love Catarina because she isn’t afraid to speak her mind.

When it comes to the engagement, she told us that there was no proposal and no “yes, I do”. “When we met we spoke about being together, but it didn’t make sense to us to be boyfriend and girlfriend. At the ages of 37 and 40, we had had our boyfriends and girlfriends, and we felt like this was not just another relationship like that. So we thought, “what if we got married?”. It made sense in our heads, and we booked it. I never thought it would be so quick. We were an engaged couple from the start. Because that is how we instantly felt”.

You can say and think whatever you want. That they did it too fast, that it should had happened in another way, that they should have waited… But you know what? Why wait? And why does that matter to anyone anyways? They were a rebel couple because they did what they wanted, how they wanted and that is what we celebrate in SRB.

_DSC2001 _DSC2037 _DSC2165 _DSC2167 _DSC2184

“Neither of us had thought about getting married. So we had no ideas or a theme. Pedro knew he wanted it simple. I knew I wanted it to be us. Pedro wanted rings and I said ok (and I’m glad I did, because today that is one of the things I cherish the most). He said ok to the completely no planning of the day.”

So, unlike every bride, Catarina woke up and went to the gym like she does every morning. Her kids stayed with her mom. Something unexpected happened: “When I got to the gym, I felt a stung on my eye, but I tried not to think about it. It started to hitch on my way home but I thought it was happening because I was crying due to a beautiful message I had received from the father of my second child. When I got home we understood it was actually more serious than that and I could barely open my eye. We laughed so hard while putting ice on it and drinking my kids antihistaminic. From home I went to SIC TV station where I had recordings scheduled, and I requested to have a really nice makeup and hair done. No one had any idea of what would happen at lunch time, and still, my hair and makeup had never looked so good. Right after, my photographer Pau Storch and Pedro came to pick me up and I got dressed on the back seat: white shirt and denim jeans”.

_DSC2285 _DSC2287 _DSC2300 _DSC2303

The photographer suggested that they’d have a moment for each other while he did a couples photo-shoot before heading to the city council. “That’s when the antihistaminic finally kicked in and I thought I’d fall asleep in Pedro’s arms right before getting married. We arrived to our wedding before 1pm, and we had a cooler filled with beers. Our people, who knew what was about to happen started to arrive. I don’t remember how many we were, but no more than 20. We all had our casual working clothes, meeting during a special lunch break. Simple. I was holding my dads wallet real close to me, so that he could also be present in that moment.”

“The ceremony was really funny, because our officiant kept asking everyone if there was anyone against that moment that could end it, and asked to have the door open throughout the ceremony to see if someone would appear saying “stop that wedding”. She asked me a couple of times if I had full conscience of my actions and obligations…”_DSC2320 _DSC2321 _DSC2350 _DSC2400 _DSC2401 _DSC2493 _DSC2500 _DSC2512_DSC2521“On our way out, we had beers and ate samosas. We toasted (a lot) and I went back to work, now with a ring on my hand (which was a huge surprise to everyone), and Pedro had lunch with his friends and family. We got back together at the Oeiras train station and I’ll never forget that feeling of hugging him as a husband for the first real time.

We spent the afternoon with friends and at night they suggested we’d go out and eat sushi which I loved. Little did I know they had called all the friends from that afternoon to join us. We even had the right to a small and simple wedding cake!”.

Some of the moments she enjoyed the most were having had their kids present at all times and that strong hug with their rings on… “the quiet feeling of knowing that that was exactly how I wanted that day to be”.

A few days later, they went for their honeymoon on her moms caravan.

As a last topic, I asked Catarina to leave some piece of advice to all brides out there. She said “Have the wedding you dream of and not the wedding you think you should have or are expected to have. It is a celebration of your love. But also have a wedding that is a synonym of tranquility, so that you can fully enjoy it”.

That is exactly how we feel, Catarina! Thank you for your inspiring words, and for being a rebel.

See a few more pics from this Real Rebel Wedding on the gallery bellow!

Photos by Pau Storch: Website | Facebook | Instagram

Assinatura_AL

***

Um casamento rebel não tem de ter elefantes, quedas de para-quedas, pessoas vestidas de preto para ser um casamento rebel. Basta que fuja um bocadinho à tradição e ao que está considerado “normal” na nossa sociedade… E a Catarina e o Pedro tinham tudo o que era preciso para darem o nó: amor.

Segundo a blogger, “como casal e como pessoas somos simples e felizes. Eu sou mais racional, mais prática, mais arrumada. O Pedro é mais doce, mais complicado e faz sempre o caminho mais longo para chegar a um sítio (tinha que dizer isto, já que sou eu a escrever! é o único defeito dele que me enerva).”

Esta frase ficou-nos gravada. Porque adoramos casais reais, e é normal que cada um tenha as suas manias. Somos fãs da Catarina, porque ela não tem medo de dizer o que pensa. Quanto ao noivado, a Catarina explicou-nos que nunca disse o “sim”. “Quando nos conhecemos falámos em namoro. Mas não fazia sentido sermos namorados.

Aos 37 e 40 anos já tínhamos tidos vários namorados e não queríamos que fosse “mais um”. “E se casássemos?” Fez todo o sentido e marcámos. Eu nunca imaginei que fosse tão rápido. Pela senhora do registo seria na semana seguinte mas acabou por ser duas semanas depois. Nunca fomos namorados, fomos logo noivos. Porque era assim que nos sentíamos.”

Podem dizer o que quiserem. Que eles foram precipitados, que deviam ter feito de outra forma, que deviam ter esperado… mas sabem que mais? Esperado porquê? O que é que isso interessa? Eles foram um casal rebel porque fizeram exactamente o que sentiam, exactamente como queriam e é isso que celebramos na SRB.

” Nenhum de nós tinha pensado casar. Por isso não tínhamos uma ideia ou um tema. O Pedro tinha a certeza de que queria uma festa simples. Eu tinha a certeza de que queria um momento nosso, sem exigências nem planificações. O Pedro tinha a certeza que queria alianças e eu cedi (e ainda bem porque é um dos objectos que hoje mais gosto). Ele cedeu na total “não programação” do dia.”

Ao contrário de muitas noivas, a Catarina acordou de manhã e como todos os dias, foi ao ginásio. Os seus filhos ficaram com a mãe. Ela até nos contou que teve um pequeno imprevisto: “Quando cheguei ao ginásio senti uma picada num olho mas não dei importância. Voltei a sentir no regresso a casa mas achei que fosse porque vinha a chorar com a mensagem lindíssima do pai do meu segundo filho. Quando cheguei a casa percebemos quer era uma picada enorme e tinha o olho quase fechado. Foi uma risota. Gelo e uns golos do xarope de anti-histamínico dos meus filhos e segui para a Sic – onde tinha gravações programadas para esse dia, mas onde tinha pedido para ser penteada e maquilhada mais cedo (uma espécie de dois em um). Ninguém fazia a menor ideia para o que estava a ser preparada mas nunca gostei tanto do resultado final como nesse dia. O Pau Storch e o Pedro foram buscar-me. Vesti-me no banco de trás do carro (calças de ganga e uma blusa branca).”

O fotógrafo que registou este dia ainda pediu aos noivos que lhe dessem um bocadinho de tempo para algumas fotografias juntos antes de irem para a conservatória…  “Foi nessa altura que o xarope dos miúdos fez efeito e eu achei que adormecia profundamente nos braços do Pedro antes de casar. Chegámos à Conservatória antes das 13h, a carregar uma lancheira daquelas azuis, enorme, carregada de minis. As nossas pessoas, que entretanto foram sabendo e quiseram estar presentes, foram chegando. Nem sei quantas pessoas estavam mas não mais de vinte. Vestidos com a roupa normal dos empregos, numa hora de almoço especial. Eu segurava a carteira do meu pai, com muita força, para que ele também estivesse presente.”

No civil, até então, as coisas não batiam certo para a senhora que os ia casar. Era tudo muito simples, e muito casual para ela. Quem é que se casa assim?! Segundo a Catarina, “insistia em ter a certeza que nada nos impedia, que a porta da sala estava a aberta e que eu estava consciente das minhas obrigações. À saída, ali na Fontes Pereira de Melo, bebemos minis e comemos chamuças. Brindámos muito. Eu segui de boleia para Sic, para gravar, já de aliança na mão (uma surpresa enorme), e o Pedro almoçou com a família e os nossos amigos. Reencontrando-nos na estação de serviço de Oeiras, depois de me irem buscar. Nunca vou esquecer esse momento porque foi a sensação brutal de nos abraçarmos como marido e mulher, na nossa vida normal. Passamos a tarde com os alguns nossos amigos a comer açaí e a beber copos. À hora de jantar sugeriram irmos a um restaurante de sushi e eu achei uma excelente ideia. Não imaginei que – em surpresa, tivessem convidado todos os nossos amigos que tinham estado presentes à hora de almoço. Até bolo de casamento tivemos – um bolo simples e delicioso.”

Os momentos de que mais gostou, contou-nos, foram o facto de terem os filhos presentes, o reencontro já com alianças no dedo, e a “sensação tranquila de ser exactamente assim que queria aquele dia.”

Uns dias depois, partiram de Lua de Mel na autocaravana da mãe da Catarina.

Como último tópico na nossa conversa, pedi à Catarina que deixasse um conselho tendo em conta a sua experiência como noiva. O que ela nos disse encheu-nos o coração: “Tenham o casamento com que sonham e não aquele que acham que tem que ser ou que as pessoas esperam. É uma comemoração de amor. Mas tenham também o casamento que seja sinónimo de tranquilidade, para que possam aproveitar.”

É isso mesmo, Catarina! Obrigada pelas tuas palavras, e por teres sido uma Rebel como gostamos!

Fotos de Pau Storch: Website | Facebook | Instagram

Will you be my bridesmaid? – surprise your gals!

Bridesmaids Things I love Wedding Inspiration

Will you be my bridesmaid? – surprise your gals!

Our Bridesmaids and Maids of honour are our support system when it comes to organising, preparing and the actual special day. They represent the women you look up to as examples, the ones who have always been there for you, the ones you go to when needing advice, hugs and to spend a good time. They can be  your best friends, sometimes your sisters and cousins and so on.

When it comes to being engaged, and wanting to invite them to be a part of your wedding as your bridesmaids, I say you can make them feel really special by rewarding them with something they can wear to the wedding, and always. A token to remind them of how important they are to you and the person you became.  Here are a few suggestions that I’ve found online. These are ready to customise and purchase, or they can also work as a good inspiration for DIYs that would be really special!

Post_7_Favourites

1|2|3|4|5|6|7

Assinatura_AL

***

As nossas madrinhas de casamento são o nosso sistema de suporte quando falamos em organizar, preparar e no próprio dia da nossa celebração especial. Elas representam as mulheres que são os nossos exemplos de vida, que sempre estiveram lá para nós, aquelas a quem recorremos para conselhos, abraços, para nos divertirmos. Podem ser as melhores amigas, irmãs, primas, enfim…

Quando ficamos noivas, esta é das primeiras coisas em que pensamos, e com isso, vem também ao de cima o “como é que as vou convidar”. Como sugestão, podemos fazê-las sentirem-se muito especiais ao oferecermos-lhes um presente que mostre o quão importantes elas são na nossa vida e em quem nos tornámos enquanto pessoas. Qualquer coisa que elas possam usar no dia do casamento, ou em qualquer altura. Hoje deixo-vos com algumas sugestões que encontrei pela internet. Estão prontas a encomendar, ou são também uma boa inspiração para um projecto divertido de DIY que lhes podem fazer. Ainda seria mais especial!

Getting lost at Praia da Ursa

Color - Black Locations & Venues Photography Portugal Wedding Inspiration

Getting lost at Praia da Ursa

When I saw these pictures, I almost lost control. There were no words to describe the rebelness (does that word even exist) of what I was seeing.

praia ursa catia tome_001praia ursa catia tome_003 praia ursa catia tome_004praia ursa catia tome_006You see, when you mix blogger Cátia Tomé and talented photographer Hugo Coelho, this is what happens: Pure magic.

I know this isn’t Cátias wedding… but so what? A rebel bride doesn’t need to see a real wedding to be taken along the fine lines that build her magical dream. And this, right here, right now, is poetry and rainbows and angel songs. And why not getting married at a scenario like this? With your friends and family there? Happy feelings. And why not wearing your most amazing black dress? And why not, showing off your gorgeous tattoos, that are such part of your personality and of what you are made of.

praia ursa catia tome_007 praia ursa catia tome_009 praia ursa catia tome_010 praia ursa catia tome_013 praia ursa catia tome_016 praia ursa catia tome_018 praia ursa catia tome_019 praia ursa catia tome_020 praia ursa catia tome_023

When we tell you Portugal couldn’t be more beautiful, it still surprises us with astonishing sunsets and amazing cliff lines.

I am in love.

Crédits: Cátia Tomé: Page / Instagram |Hugo Coelho Fotografia: Page / Instagram

Assinatura_AL

***

Quando vi estas fotografias pela primeira vez, quase perdi o controle. Não existiam palavras para descrever a rebeldia do que eu estava a ver.

Sabem, quando se mistura uma blogger como a Cátia Tomé, com um talentoso fotógrafo como o Hugo Coelho, isto é o que acontece: Pura magia.

Eu sei que estas fotografias não são o casamento da Cátia… mas e depois? Uma noiva rebel não precisa de ver um casamento real para se deixar levar pela inspiração e linhas finas que constroem o seu sonho mágico. E isto, aqui, e agora, é poesia, arco-íris e são cânticos de anjo. E porque não dizer o “sim” num local como este, com os amigos e a família presentes? Algo simples, e feliz. E porque não vestir o vosso simples e incrível vestido preto? E porque não, mostrar com orgulho essas tatuagens, que são uma parte integrante da vossa personalidade e do que vocês são feitas.

E quando vos dizemos que Portugal não consegue ser mais bonito do que já é, ele acaba sempre por nos surpreender, com os seus lindos pores-do-sol, e linhas mágicas.

Estou apaixonada.

Créditos: Cátia Tomé: Página / Instagram |Hugo Coelho Fotografia: Página / Instagram

 

So what is ALTERNATIVE?

Organization & Planning Wedding advices Wedding Inspiration

So what is ALTERNATIVE?

When I was planning my own wedding, one day my mom told me on the phone that she was having nightmares with a word that I kept on repeating . That word was “alternative”. When I realised she was afraid of it, my first job was to try to explain her it didn’t mean nothing bad, but something unique and special. Still, until our wedding day, I could feel her discomfort, and pretty much every bodies discomfort, from my family to my in-laws. They were afraid the wedding was going to be so different people wouldn’t understand it, or feel bad at it, or eat bad food, or take things personally in a bad way. After the wedding, they finally saw it, and I believe I taught great lessons with Miguel on that day. Until today, they say it was such a unique event, that reflected our personalities so well.

So today, I’m here to try to demystify this word for you as well. And what is more curious, is that even the most traditional brides actually do a lot of alternative things on their weddings that they never thought were actually alternative. Like wearing sassy coloured shoes, or walking down the aisle with their moms or grooms instead of their dads. Or having a special twist like no bouquet, or no first dance. That is rebel!

So what is an alternative wedding, or a wedding with an alternative touch?

Alternative is everything that goes against the “norm”, against what is already “socially accepted”, against “traditional”.

Be it getting married at the beach, on a mountain site, at an old theatre. Means white couples, black couples, interracial couples, LGBT, young, and old. Means not having a pre-made location, but doing everything (or just a little twist) according to the couples personalities, what they love, what reflects them best.

Here are a few examples for you to visualize, in case if you thought that alternative only means tattoos and piercings. (And did you know that tattooed people can also have the most traditional of weddings? This is the XXI century. There should be no prejudice on this matter.)

If you like any of the pics bellow, or could see yourself wearing any of that, having any of that, doing any of that, or having a representation of that at your wedding… congrats, you have a rebel in you! Oh, and you ARE alternative, even if you never thought doing or being like that.

(See more of what makes us happy on our Pinterest!)

So with this, let’s start accepting diferences. Traditional is beautiful, but so is alternative. And one is not more correct than the other. There is space for everyone.

Let’s please celebrate uniqueness, and sticking to your guns. And if you would like to have a hot-dog kind of dinner at your wedding, because that’s how you and your other half met and had your first date, do it. It’s YOUR day. Your ONE day. And if you are a guest to that hot-dog wedding, embrace it. You have 364 days in a year for yourself, let your friends who are getting married have that one day their way, and just have fun!

Featured Image Credit: Dreamaker

Assinatura_AL

***

Um dia, enquanto planeava o meu casamento, a minha mãe contou-me ao telefone que andava a ter pesadelos com uma palavra que eu repetia constantemente: “alternativo”.

Quando me apercebi de que ela tinha medo dessa palavra, o meu maior objectivo foi tentar explicar-lhe que não havia nada de mal em querer um casamento alternativo, e que isso significava único, e especial. Ainda assim, até ao dia do nosso casamento, eu conseguia sentir o desconforto, e na verdade, não só o dela mas o de todos, desde os amigos, à minha família, à família do meu então namorado. Tinham medo de que o casamento fosse tão diferente que ninguém o iria perceber, ou que se poderiam sentir mal e desadequados nele, ou levar algo pessoalmente, de uma forma má. Depois do casamento, finalmente conseguiram ver aquilo que nós sentíamos. E perceberam que alternativo significava o celebrar de quem somos e do que somos e de como isso combinado gerava amor. Até hoje, continuo a ouvir que foi “Tão bonito”, “Tão a nossa cara” e que refletia tanto as nossas personalidades.

Por isso, hoje estou aqui mesmo para tentar desmistificar-vos esta palavra. E o que é mais curioso, é que até as mais tradicionais das noivas têm escolhas nos seus casamentos que nunca pensaram serem alternativas. São-lhes tão naturais que nem se apercebem de que na tradição não acontecem.

Coisas simples como usar uns sapatos mais divertidos que não branquinhos, ou fazer a caminhada até ao altar de mãos dadas com as mães, ou com os próprios noivos em vez dos pais. Ou tendo um tema que é especial ao casal a encher as paredes, mesas, salas da festa. Ou tendo um pequeno twist, como não quererem atirar o bouquet, ou não ter uma primeira dança se isso não tem a ver com quem eles são. E esse pequeno passinho contra a tradição, já é rebelde. Mas e isso é mau? Não.

Mas então o que é que é um casamento alternativo ou um toque alternativo?

Alternativo é o que vai contra a “norma”, contra o que é “socialmente aceite”, contra o “tradicional”.

Seja escolher casar numa praia, na montanha ou num teatro antigo. Significa casais brancos, negros, interraciais, LGBT, velhos e novos. Significa fazerem algo que seja a personalidade deles ao invés do que muitos pacotes pré-feitos já vendem. Ou até optar por isso e dar-lhe um toque pessoal. Alternativo significa ser fiel à sua personalidade e ao que ela representa.

Aqui, acima, estão algumas imagens que refletem casamentos alternativos, para o caso de toda a vida terem interpretado um casamento alternativo apenas como algo hardcore, e cheio de tatuagens. E sabiam que pessoas tatuadas podem até ter o mais tradicional dos casamentos? Estamos em pleno século XXI. Já não devia existir esse preconceito.

Se gostarem de alguma das fotografias acima, e se acharem que se conseguiam ver a vestir, ou a fazer, ou a ter, ou a comprar algo assim para o vosso dia especial… parabéns, têm uma rebelde dentro de vocês. Oh, e já são um bocadinho alternativas, mesmo que nunca tenham pensado no assunto.

(Conseguem ver mais das coisas que gostamos no nosso Pinterest!)

Vamos começar a aceitar mais as diferenças. A tradição é linda. É maravilhosa, e quero deixar assente que a SRB não tem nada contra ela. Mas o alternativo também é especial. E não há um mais certo que o outro. Tem de haver espaço para todos.

Vamos celebrar o único, e o sermos fiéis a nós próprios. E se gostariam de ter um casamento onde o jantar tivesse uma banca de cachorros-quentes, porque o vosso primeiro encontro com a vossa cara-metade foi assim, façam-no. É o vosso dia. O vosso ÚNICO dia de casamento.

E se estão do outro lado, e são os convidados num casamento com cachorros-quentes, aceitem a vontade dos noivos. Vocês têm 364 dias num ano para fazerem o que vos der na real gana. Deixem que os vossos amigos, ou familiares que estão a casar tenham este dia à maneira deles, e divirtam-se!