Categoria: Nightmares

ALL or NOTHING syndrome: How NOT to get carried away by what your wedding doesn’t need

Friends&Family Nightmares Organization & Planning Wedding advices Wedding Inspiration

ALL or NOTHING syndrome: How NOT to get carried away by what your wedding doesn’t need

When I was engaged and during planning, some of the phrases I’d hear the most whenever in doubt for something for the wedding would be “it’s a one day in your life”, “it’s a day that will never be back”, “go all the way, you’ll never be a bride again”.
Those phrases would actually cause anxiety in me, as they caused the feeling that I would miss out or regret not doing or having something on our day.
Eventually, I had to put an end to it for my mental sanity. Being a bride can be really exhausting, and although we want to be nice to everyone and thank everyone for their ideas, there has to be a moment we put a stop to it and go with our guts. With what makes sense to our hearts.
When I come to think about it, there was this one thing that really was the stamp and the moment where I recovered my mental health again…

 

My SHOES

Yep, that’s right. My shoe choice was what brought me back to me and to what I wanted for my wedding. It could have been something else, sure, but it works differently for everyone, and that is what makes this fun.
In my case, I’ve always been simple in my choices. We wanted a very simple wedding, DIY, where music was the focus. That is how the idea started.
Then, as we began sharing our ideas, we started to get overwhelmed with the “oh, c’mon, it’s your wedding day, not a regular party, bling that up a bit”, or “really, you are not having flowers on your wedding, how can that be? Never heard of a wedding with no flowers! Save some of your money for that, please”. I’ve never been that type of person who gets easily influenced, but when it comes to weddings, it is very common to see brides having new necessities created by those who mean to them, and here, I was no exception. So little by little, I started needing a piano player for the cocktail, flowers everywhere, furniture to cover places that were more empty, a bathtub just for the fun of it that we’d fill with ice and gin bottles, I started worrying that people might not like this or understand that and all of the sudden, I was flooded with “important” things in my mind that I had never considered before.
But as I started this topic, shoes were what brought me back to being myself: My bridesmaid Andreia is a fashion guru. She has really good taste, and has beautiful shoes for every occasion, so it was only normal that she’d advise me that my shoes should make a statement when I walked in. At first, I told her “Nah, my dress is big enough, no one will look at my shoes, and that is not an expense I want to worry about”. “Ana Luisa, you only get married once, shoes are such an important thing on a bride and looking good”. And she is right, I know this. But it just wasn’t important to me… until I started to get obsessed with shoes that would make a statement.

 

How the madness ended

I am a big feet girl. Like, my feet are really huge, which makes it very hard to find some that look good on me. Most shoes look beautiful in smaller sizes and look kinda freaky when made bigger. As I was doing my search, a lot of my energy was put into it and I kept on finding shoes and sending pictures of them to my bridesmaids and the answer would be “nope”, “too simple”, “weird”, “You can do better” until one day, after gym, I passed by a shoe store that was in sales, and I saw them. Simple, not expensive, and exactly what Ana Luisa from a few months ago would have bought as her statement shoes. I thought to myself “That’s it, I will stop this nonsense and go with my guts”. I bought them (ahem, for 12.99€), and I felt really good about myself on that moment! It is not the fact that they were cheap, because my message today is not about asking you to go low cost. What I mean is the part where I felt really good with my choice. They could even have been 150€ if I had loved them. It’s not what matters today. They were sweet, my size, the kind that I liked, simple, comfy, and I am actually wearing them today as I write you, which was another thing I really wanted.
After that, I decided to breathe and make a lot of decisions that would make our life easier: no piano player, no extra furniture, damn, no flowers, and yes, my shoes were simple, but were exactly what I wanted.

 

Tip for my brides as a wedding photographer

It was easy to give advices before being engaged on “It has to be what you want and makes you happy”. But now that I’ve been on that situation, I really mean what I say. I have more empathy with my brides now that I’ve been through the process that leads to the wedding day. It is very common to me to have them telling me what bothers them, sometimes I go with them to their dress fittings, and it is now part of who I am to also calm them down on problems they are finding along the way until the aisle.

Most of it actually is about todays post. Them wanting it all, even what they after realize they don’t need. A friend of mine shot a wedding once (and I always use this example) where when the bride looked at herself in the mirror after prepping, she started having a panic attack because it was just too much. She had been influenced on having a big hair, being big on makeup, big dress, statement shoes, out of this world bouquet, and when she put everything together, it was just not who she was.

I have nothing against going big, as long as it is what the bride really wants, and not what she was influenced to have by the people who mean to them. (Oh, and that bride eventually looked like how she wanted. In her case, she needed to simplify it with her glam team until she felt like her true self).

So my first question to my brides as soon as they get engaged is “How do you see yourself on your wedding day?”. Then, I ask them to take notes of that, so that whenever they are caught on a situation of rather huge exterior influence, they can look at what they wrote and keep track of their initial dream. Of course things can change, and when you really enter the wedding prep world a lot of new things you didn’t know existed appear in front of you, but having that first dream in hand can really help balancing between the first idea and the new things.

The second question is “In the end, when you look back at your wedding photos, what do you wish to see there?”

This could make it a lot easier on the choices! And the answer is always “I want to look happy” and that really only depends on you, and being true to yourself at all times.

 

What happened to me in the end

I wore my red dress, the shoes I wanted, and yeah, a few things changed along the way, like my hair, which I had two different styles, that still were me, but that gave that bling to how I looked. And this was actually not my idea, and I loved it.
I ended up having (a few) flowers, which I agreed made it all look prettier and a few little things my wedding planner thought of and that completed our day beautifully, but I am now relieved that we learned how to say NO to the things we really didn’t need.

 

My biggest lesson was that it doesn’t have to be ALL or Nothing. You will find true happiness in what is just the right amount for you. So hold that prep by its horns, and show (kindly) who the bride is.
Photos: Dreamaker
Assinatura_AL
***

 

 Quando fiquei noiva, e durante o planeamento, algumas das frases que mais ouvia em tempos de dúvida com alguma coisa para o dia do casamento eram “é um dia que só acontece uma vez”, “esse dia nunca mais vai voltar”, “faz à grande, porque nunca mais voltarás a ser noiva, aproveita”.
Estas frases na verdade causavam-me um grande grau de ansiedade e medo de me arrepender de não ter algo ou de fazer más escolhas.
Eventualmente, e pela minha sanidade mental, tive de tomar medidas que me protegessem destas três frases fatais para qualquer noiva. É que a preparação é algo de muito exaustivo, e embora quisesse ser querida com todas as minhas pessoas especiais e agradecer-lhes os inputs para o nosso casamento, a partir de um certo momento temos de começar a agir no que nos faz real sentido. No que faz o nosso coração cantar.
Quando penso no momento que foi a viragem da situação em que estava de “demasiada informação”, é engraçado, mas sei exactamente o que é que foi o meu grito do Ipiranga… 

 

Os meus sapatos

Yep, foi isso mesmo. A compra dos meus sapatos foi o que me trouxe novamente a minha sanidade mental de volta. Poderia ter sido outra coisa qualquer, claro, mas a piada está mesmo em sermos todos diferentes!
No meu caso, sempre tive em mente um casamento simples. Muito DIY, onde a música fosse o foco.
Depois, quando começámos a partilhar as nossas ideias, começámos a ficar sobrecarregados de informação e de “Oh, vá lá, é o vosso casamento, não é só uma festa, dá lá mais power nisso!” ou “Não queres mesmo ter flores no teu casamento? Nunca vi tal coisa!”
Eu nunca fui do tipo de pessoa que se deixa influenciar facilmente, mas no que toca a casamentos, é muito comum ver noivas com novas necessidades geradas por aqueles que lhes são mais especiais, e eu não fui excepção. Assim, aos poucos e poucos, comecei a precisar de uma pianista para o cocktail, flores por todo o lado, mobílias para as zonas mais vazias, uma banheira (só porque sim) cheia de gelo e garrafas de gin. Comecei a ganhar medos tontos de que se não fosse assim, as pessoas não iriam gostar, ou achar tudo demasiado simples. Estava verdadeiramente inundada de coisas “importantes” que nunca tinha antes sequer considerado.
Mas comecei este tópico a falar-vos dos meus sapatos me terem trazido novamente a “mim”: Uma das minhas madrinhas, a Andreia, é muito entendida em moda. Ela tem um excelente gosto, tem sapatos lindos para várias ocasiões e era normal que me aconselhasse a ter uns para o meu casamento que fossem uma assinatura da minha personalidade, que fossem mais “tcharan“. Ao princípio disse-lhe “Nah, não me vou preocupar muito com isso, quero algo muito simples“, mas depois, tornei-me verdadeiramente obcecada com encontrar os sapatos certos.

Como é que a loucura terminou

Eu tenho uns pés enormes. Mas mesmo, mesmo grandes para uma menina… e sempre me foi complicado e uma verdadeira frustração encontrar o que quer que seja para calçar, quanto mais para cerimónia, onde em pequenos são sempre bonitos mas em tamanhos grandes parecem uns barcos muito muito feios.
Sempre que encontrava algo possível, enviava às minhas madrinhas por mensagem, tinha as respostas delas, gastava toda a minha energia naquilo, mas estava mesmo destinada a não encontrar os tais “tcharan“. Até um dia, em que depois do ginásio, passei por uma loja que estava em saldos e vi-os ao longe. Eram simples, nada caros, e exactamente o que a Ana Luisa de há uns meses atrás teria escolhido. Calcei-os e pensei “É agora, Ana Lu. Vais acabar com esta loucura e vais terminar a saga dos sapatos imediatamente”. Então comprei-os (ahem, por 12.99€), e senti-me mesmo muito, muito feliz comigo mesma. A minha mensagem de hoje não é sobre optarem por low cost, atenção. É exactamente sobre encontrarem aquilo que vos faz felizes. Aquilo que vos dá o clique do “já está!” Podiam até ter custado 150€. Quando os calcei, eram aqueles. Era aquilo que eu queria. Aquele é o meu estilo e pronto. (E hoje estou com eles calçados e tudo!)
Depois disto, decidi respirar fundo e tomar uma data de decisões que tornariam a nossa vida mais simples: Nada de pianista, nada de mobílias extra, nada de flores, etc, etc.

 

O que tento passar a todas as minhas noivas enquanto fotógrafa de casamentos

Eu já dava alguns conselhos antes de estar noiva no que toca a “tem de ser o que te faz feliz e não o que te impõem”, mas depois de ter passado por um planeamento, depois de quase ter desistido de fazer o casamento 3 vezes pelas chatices da organização e por finalmente ter casado, ganhei uma empatia diferente com as minhas noivas. Conheço o processo, sei que não é só borboletas e magia, e tento estar lá para elas nos desabafos, na prova do vestido, e no dia, a acalmar qualquer situação que seja necessária.
O que noto, é que a grande maioria das preocupações têm a ver com o post de hoje. Com coisas que antes “não percebiam que afinal não precisavam”.

Uma amiga minha fotografou um casamento um dia (e eu partilho muitas vezes esta história), onde ao terminar de se arranjar, a noiva olhou para o espelho e começou a ter um pequeno ataque de pânico. Sentiu que estava tudo “demasiado” grande. Tinha sido influenciada a querer tudo e tudo em grande por ser um dia que só acontece uma vez, e tinha-se esquecido do que realmente queria inicialmente. O cabelo estava muito tcharan, a makeup estava tcharan, o vestido era tcharan, os sapatos eram tcharan, e ela queria na verdade muito menos. (Não se preocupem, com uma nova intervenção da sua glam team ela ultrapassou o sucedido e conseguiu um look onde se sentia confortável, mas poderia ter evitado o ataque de pânico).

Não tenho nada contra ser-se/ter-se “tcharan” no casamento (até gosto bastante), desde que seja o que a noiva realmente quer e não por influência externa.

Assim, um bom exercício que gosto de colocar quando a noiva vem ter comigo pela primeira vez e se desabafar sobre o assunto é “Como é que te vês no dia do teu casamento?”. Depois, peço-lhe que tire notas do que me acabou de dizer e que as guarde com ela religiosamente. Assim, sempre que se apanhar numa situação de dúvida, pode sempre olhar, ler, e seguir caminho confiante nas suas decisões.  Manter-se no caminho certo. É claro que muitas coisas mudam entretanto, especialmente quando já se vai em velocidade cruzeiro na preparação do casamento e somos alvos de tantas coisas lindas e novas que vão aparecendo em revistas e sites ou nos casamentos das amigas, mas um bom balanço entre o que queremos à partida e o que se nos é apresentado é o ideal.

A segunda pergunta é “Como é que queres olhar para trás para o teu dia, e rever-te nas tuas fotografias de casamento?”

A resposta normalmente é “Quero estar feliz”, e isso só depende das escolhas que fizer, e se se mantiver fiel a si mesma sempre.

 

O que aconteceu comigo no final

Vesti o meu vestido vermelho, calcei os sapatos que queria, e sim, mudei de ideia em algumas coisas pelo caminho, como no meu cabelo que acabou por ter dois estilos diferentes e que sinto que deu aquele bling bling que o meu look precisava (e a ideia não foi minha!). Acabei por ter (algumas) flores, que realmente deram um toque feliz à decoração, e cedi em algumas ideias da minha wedding planner que também tornaram tudo mais fácil e eficaz, mas estou orgulhosa por no final ter aprendido a dizer que NÃO e a largar aquilo de que não precisava.

A minha maior lição foi a de que não é preciso ir a extremos do tudo ou nada. Que vais encontrar a felicidade naquilo que é a quantidade certa para ti e para o teu casamento. Por isso agarra o planeamento pelos cornos, e mostra (de forma simpática) quem é que é a noiva. 

 

Don’t blame it on superstition

Nightmares Organization & Planning Wedding advices Wedding Inspiration

Don’t blame it on superstition

I’ve been wanting to write something about superstitions and traditions for a while. And since tomorrow is the “blame it on someone else day” (crazy, I know), I thought it would be fun to talk about this. Because if there’s is an event prone to bad luck for the slightest little thing, that would be a wedding. And God forbid, if anything goes wrong along the way, maybe it was because you missed that one thing that would make you happy and untouched forever.

I believe that we make our own luck, and, although I find some superstitions very interesting and well-explained, I just take them for what they are. Superstitions won’t make or break our marriage.

What if you want to sleep with your husband-to-be the night before the wedding? Or would it bring any harm to the world if you don’t throw away your wedding bouquet? Or what would ever happen if you don’t wear white?

I believe we mixed up superstition with tradition and sometimes it just makes everything more confusing and difficult to keep up.

I say, do what you want, what makes sense to you. If there is a beautiful family tradition you want to keep up with, do it, if it feels right, don’t do it to make others happy. My mother’s bouquet had to go to my grandfathers grave from my father’s side because of some stupid tradition (or maybe someone decided that it would make sense at the time). But it didn’t, and she was so sad about it. On the other hand, a cousin of mine decided not to throw away the bouquet and dryed it to use in her home decor. I’m glad to say both weddings were happy, long, and fertile.

This much to say that, when it comes to weddings and love, I think taking responsibility for it, really comittting to find your voice as a couple will do. You don’t need to blame it on tradition, just don’t do what you don’t want to do. Nothing will stand in between you and your husband, but just as sure, nothing must come between you and your wedding.

Follow superstition, tradition, religion, as long as it is what you feel like.

And now just for fun, I want to leave you with some origins of my most beloved wedding traditions:

  1.  (I love this one) The tradition of using the wedding ring in the 4th finger of the left hand was because of the belief that through that finger crossed a vein that led directly into the heart;
  2. The veil tradition comes from ancient Greeks, as it was to protect the bride from evil spirits (I would be doomed, I don’t like wedding veils)!
  3. A bride that cries on her wedding day is a lucky one, because she won’t have reasons to cry during her marriage;
  4. The cake topper tradition came from Queen Victoria, who wanted to use small sculptures of herself and Prince Albert as a decoration in their 1840 wedding. Was she a rebel or what?
  5. Not seeing each other before the wedding day dates back to the days of arranged marriages, when couples met on their own wedding day, not to have second thoughts about it. These days we see so many photos of bride and groom just before the wedding begins (the thing called “the first look”), and I find it heartwarming. The surprised, even-more-in-love looks at each other. An 180º change to a tradition to mean the exact opposite.

Have a great day!

Check out some more traditions here, here, and here.

Featured Image: Luisa Starling

Assinatura_JL

***

Há algum tempo que queria escrever algo sobre superstições e tradições de casamento. E já que amanhã se celebra o dia de “pôr as culpas em alguém” (loucura, eu sei), achei que era interessante trazer este assunto à baila.

Porque se há evento mais susceptível a má-sorte, é precisamente um casamento. E ai de nós, se algo corre mal mais para a frente, apenas e somente porque nos esquecemos de seguir esta ou aquela tradição que nos colocaria numa intocada bolha de felicidade permanente.

Eu acredito que nós fazemos a nossa sorte, e , apesar de algumas superstições serem dotadas de simbologias hipnotizantes, elas são superstição. As superstições não vão sustentar ou quebrar um casamento. Apenas torná-lo mais divertido.

E se quiseres dormir com o teu noivo na véspera do casamento? Será que vinha mal ao mundo se não atirares o teu bouquet? Ou se não te vestires de branco?

Infelizmente penso que por vezes confundimos superstições com tradições e isso ainda baralha mais as ideias.

Na minha óptica, deves fazer o que queres, o que te faz sentido. Se há uma tradição familiar que te é muito querida e queres manter, força, mas fá-la por ti e não para satisfazeres os desejos de outrem. A minha mãe colocou o bouquet dela na campa do meu bisavô, do lado do meu pai, numa tradição ou um gesto forçado pela família dele. Ela mencionava este facto com tristeza,  e que apesar de ser um gesto bonito, para ela não fazia muito sentido. Por outro lado uma prima minha decidiu não atirar o bouquet  e secou-o e expô-lo em casa. Posso dizer que ambos os casamentos foram longos, felizes a maior parte do tempo e férteis.

Isto tudo para dizer que no que toca a casamento e amor, acho que tomar responsabilidade e encontrar a voz própria como casal deverá sempre ser o suficiente. Não precisamos de culpar a tradição, simplesmente não fazemos o que não queremos. Nada tem de se intrometer entre ti e o teu marido, e também nada terá de se intrometer entre ti e o teu casamento de sonho.

Segue a superstição, a tradição, a religião, só se realmente for o que queres.

E agora, apenas por diversão, ficam aqui as origens curiosas de algumas tradições mais enraizadas:

  1. (adoro esta) O anel de noivado e casamento é usado no 4º dedo da mão esquerda porque antes se acreditava que passava nele uma veia que ligava directamente ao coração;
  2. A tradição da noiva usar véu remonta à Grécia Antiga, em que se acreditava que este objecto protegia a noiva de maus espíritos (eu estaria tramada, não gosto de véus e não usaria um no dia do meu casamento);
  3. Uma noiva que chora no seu casamento pode considerar-se sortuda, significa que terá poucos motivos para chorar ao longo do matrimónio;
  4. A decoração no topo do bolo teve origem no casamento da Rainha Vitória com o Príncipe Albert em 1840, quando ela decidiu ter pequenas estátuas representativas dela e do seu noivo (era tao rebel esta rainha, hein?);
  5. Não ver o noivo antes do casamento remonta às épocas de casamentos combinados (bem sei que ainda hoje acontece, mas é uma tradição bem antiga), em que os noivos só se conheciam no próprio casamento, para não pensarem em fugir ao compromisso. Nos dias que correm, é frequente ver sessões fotográficas de noivos que se vêm momentos antes do casamento começar, e acho isto enternecedor. Uma mudança radical numa tradição que significa o exacto oposto. 

Tenham um dia feliz!

Espreitem mais tradições aqui, aqui e aqui

Happy International Smile day!

Nightmares Organization & Planning Portugal Post Wedding Blues Psychotherapy Real Wedding Spotlight Wedding advices Wedding Inspiration

Happy International Smile day!

Today has been a very emotional day for me… not only was I surprised with my fav gals messages from this morning, where they made me remember some very special moments I lived with them in the past, but I’ve also been receiving so much love from my friends and family, and got to know that today, my birthday, is also the International Smile Day. What a perfect thing!

I turned 30 today, and as crazy as it might seem, I am so glad to leave 29 behind, and my entire 20’s, really! It’s kinda like my 20’s existed to make me bang my head on walls and challenged me into finding my true self… then, at the age of 29 I planned our wedding, learned so much and went through such tough times to make it our way and reflecting us, and now, being 30 is like turning into a new blank page, where I can’t tell where the future will take me, but at least I fully know who I am, what I want to do, and what my goals in life are. The biggest one of them is to, with my SRB team, turn this into a truly inspirational blog on the alternative/rebel world for people who choose to get married in Portugal, and to help all brides out there to arrive to their wedding day with a smile so big on their faces, that their cheeks will hurt by the end of the day, in a good and most unforgettable way. I know what it feels like, I know how hard it is to be a creative mind in the world we live in, I know how hard it is to explain our crazy ideas, having people turning them down, and being able, in the end, if we stay true to ourselves, seeing them more than understanding what we meant, but feeling what went in our hearts for so long. I know how hard it is to plan an alternative wedding in Portugal, I understand the frustration, the pain, the fights… but I also know how worth it it is in the end, when you look around and all you can think of is wishing you had a pause button, so that you could freeze time and wander around your guests, friends, family and husband, just to see their faces of joy and surprise, because you managed to turn a party into what made you fall in love with your soul mate, and you managed to make others feel what it is to be so in love that your heart is about to burst into a confetti and glitter big bang. All because times were hard, but love and being true to what your relationship represents payed off.

Luisa&Miguel_Lisbon_12092015-22 Luisa&Miguel_Lisbon_12092015-23

So today, I really wanted to have some time to make todays afternoon post mine, and connect it the best way possible with our SRB manifesto. Because in reality, our goal in everyday’s writing at SRB has the purpose of making you, on that side, SMILE. Be it because you feel like our posts have helped you in some way for your wedding, be it because we have helped you find the best vendors for your out-of-the-box ideas, be it because you adored the stories we’ve shared, of our real rebel weddings, be it because you are going through a tough phase on your planning, and really needed a hand, and we were able to be there on the right moment.

Being true to yourself, will make your smile the most honest and beautiful one on your wedding photos and video. Being true to yourself will make you never regret your decisions.

Being 29 was so hard, but it payed off on September 12th 2015, when I said “I do” to the most important human being of my life. People ask me a lot about what has changed since we got married last year, since we had been living together already for 2 years before tying the knot. What I tell them is that in reality, and real life routines, it stayed pretty much the same, and I love it really that nothing has changed, because that is the reason why we decided to get married. On the other hand, and this is something I can’t really explain by words, because it’s something irrational that I feel every time I wake up and look at my left side of the bed. I truly like it so much better now! It is so much more incredible than unicorns and rainbows. And it makes me smile to think that besides the life we built together, our wedding day reflected our weirdness and the magic of what makes me fall in love with him everyday.

Today he woke me up with tender kisses around my face, and I asked him “who are you sir”? He answered “well, I am your husband, madam!”

Smiles.

I smiled and laughed and cried. Really, I can’t explain you the feeling but I truly encourage you to find out!

Get married! But get married YOUR WAY. Be it in a mountain, just the two of you, be it sky diving, be it in the most traditional way in the world, as long as it is WHAT YOU WANT,  and WHAT YOU FEEL, and WHAT REFLECTS who you are together, and not because it is how “it is supposed to be”. I regret nothing from our day, and every time I wake up and see him drooling (hahaha), the irrational feeling that comes to my mind is that of the most honest moment we’ve shared on our wedding day, and I will always really remember it with a smile.

I wish you this feeling, this uncontrollable tourette-kinda thing inside my heart that I can’t explain you because it’s really irrational and just felt… I know we are talking about a wedding, but I truly believe this was one of the bravest achievements we’ve ever lived as a couple so far. And now, we are more united than ever, only because it was so unique, and there will never be another like it… because together we are unique, and every couple is unique, and the reflection of that into a wedding day will embrace your loved ones and make them feel more than understanding, and it will all fall into place and just make sense.

I’m sorry if this is all crazy ideas coming out of the tip of my fingers, but love isn’t rational as well. Happy International Smile day.

May your weddings be the biggest reflection of your uniqueness, and your smiles bigger than the world we live in.

Luisa&Miguel_Lisbon_12092015-24

Featured and following images: Dreamaker

Assinatura_AL

***

Hoje está a ser um dia verdadeiramente emocional para mim… não só fui surpreendida pelo post desta manhã, onde a minha brilhante e linda equipa relembrou momentos que lhes foram especiais passados comigo, como tenho também recebido tanto carinho dos restantes amigos e família… depois, apercebi-me de que hoje é o dia internacional do sorriso! Que perfeito!

Hoje faço 30 anos, e por mais louco que possa parecer, estou tão feliz de poder deixar os 29 para trás… e todos os 20, na verdade! É quase como que se os 20 existissem para nos fazer bater com a cabeça nas paredes e lançar-nos desafios para descobrirmos quem realmente somos. E são realmente precisos quase 10 anos para isso acontecer. Agora, ao começar uma nova década, é como virar para uma nova página, em branco, onde continuo sem vos conseguir dizer onde é que o futuro me vai levar, mas onde sei finalmente quem sou, e o que quero fazer da minha vida. O meu objectivo maior é mesmo aqui. Quero, com todo o meu coração e com a equipa que tenho, que a SRB seja a referência para casamentos rebel/alternativos para noivas lindas e únicas que se querem casar em Portugal. Quero poder ajuda-las a chegarem ao seu dia de casamento com um sorriso tão grande nos lábios que as bochechas até doam (de uma dor boa). Eu sei o que é ser uma mente que divaga e criativa num país como o nosso, eu sei o quão difícil é explicarmos as nossas ideias, ter pessoas a deita-las abaixo, e ainda assim, conseguir manter-me fiel ao que acredito, mesmo quando só me apetecia desistir. Porque mais do que explicar, o objectivo é fazer sentir o que nos vai no coração, e isso é desafiante porque é também irracional. Eu sei o quão difícil é planear um casamento “diferente” em Portugal, percebo a frustração, a dor, as lutas tontas… mas também sei o quanto tudo valeu a pena no final, quando olhava à minha volta, no dia do nosso casamento e tudo o que eu queria era ter um botão mágico na mão que me permitisse parar o tempo e passear-me pelo casamento, a ver as caras de alegria genuína das nossas famílias, amigos e marido, porque no final, tínhamos conseguido transformar uma festa na fisicalidade do que significava a nossa relação e o que me tinha feito apaixonar por aquele ser humano tão bonito. Conseguir fazer com que os outros sentissem a nossa esquisitice, e o amor que ia nos nossos corações assemelhou-se a uma piñata de confettis e glitter que era no fundo o meu coração, prestes a explodir. Tudo porque não desistimos, e conseguimos ir em frente com os nossos sonhos.

Assim hoje, quis muito poder ter o post da tarde, para tentar da forma mais normal possível (hahaha)  liga-lo ao nosso manifesto da SRB. Porque na realidade, o nosso objectivo com esta plataforma tem o único propósito de vos ajudar a sorrir. Seja porque os nossos posts vos inspiraram para algo especial no vosso casamento, seja porque conseguimos dar-vos os contactos dos melhores fornecedores de sempre, seja porque se inspiram todas as semanas com os casamentos reais e rebel que chegam até a nós, ou seja até porque estão a passar por um momento terrível, e curiosamente, conseguimos ser o vosso alento no momento certo do vosso planeamento ou post-wedding blues.

Ao serem fiéis ao que acreditam e vos representa, vai trazer o sorriso mais honesto e bonito às vossas fotos e vídeo de casamento. Ao serem fiéis ao que acreditam e vos representa, vai fazer com que nunca se arrependam das vossas decisões.

Os meus 29 foram difíceis, mas o dia 12 de Setembro de 2015 mostrou que tudo valeu a pena quando disse que “sim” ao ser humano mais importante da minha vida. Muitas pessoas me perguntam o que mudou desde que nos casámos… e na verdade, nas nossas rotinas do dia-a-dia, e porque já vivíamos juntos há dois anos, nada mudou, e isso é algo de maravilhoso, porque foi o que nos levou a casar. Por outro lado, há uma parte da resposta que não consigo mesmo explicar por palavras, porque é algo irracional e que sinto cá dentro… mas é mesmo tão melhor agora! É tão incrivelmente melhor do que unicórnios e arco-íris juntos numa manhã perfeita de clima ameno! E faz-me sorrir que para além do que já construímos juntos, aquele dia significou o porquê do que construímos juntos, e o porquê de eu me deitar ao lado desta pessoa todas as noites. Significou o nosso lado parvo, lunático e bonito, e significou o que me faz apaixonar por ele todos os dias.

Hoje acordei com beijinhos por toda a cara… abri os olhos e em tom jocoso perguntei “oh, quem é o senhor?”… e respondeu-me “sou o seu marido, minha senhora!”

Sorrisos.

Sorri e ri e chorei. Não há como explicar o sentimento, mas encorajo-vos a descobrir! (com os vossos namorados, claro, porque este é só meu! hahaha)

Casem, mas por favor, À VOSSA MANEIRA. Seja numa montanha, só os dois, ou a saltar de pára-quedas, ou da forma mais tradicional possível, mas se assim for, que seja porque é o que vocês realmente querem e vos faz sentido, e não porque alguém disse que “era o correcto”. Eu não me arrependo de nada, e sempre que acordo ao seu lado (mesmo que se esteja a babar! Hahahaha), tenho esta lufada de sentimento irracional que vem do momento mais honesto que passámos os dois juntos no nosso casamento, e recorda-lo-ei sempre com um sorriso.

Eu desejo-vos nada mais do que este sentimento simples e que move o mundo. Esta sorriso incontrolável e quase até de síndrome de tourette que sem eu pedir acontece… eu sei que estamos aqui a falar de um casamento, mas acredito seriamente que enquanto casal foi das coisas mais corajosas que já fizemos até hoje neste país em que vivemos. E agora sinto-nos mais unidos do que antes, porque foi um momento único, porque nós somos um casal único, e porque todos os casais são únicos e se forem fiéis a isso, nunca haverá outro casamento igual aos seus. E aí, todos os que torciam o nariz vão mais do que perceber, sentir, e a vida finalmente faz sentido e os planetas alinham-se pelo amor.

Desculpem se isto parece um cuspir de ideias sem nexo, mas não é também assim o amor?

Feliz dia do sorriso.

Sejam os vossos casamentos o reflexo do quão únicos vocês são juntos, e os vossos sorrisos maiores que o mundo em que vivemos. 

 

How not to let your family bully you while planning your wedding

Friends&Family Nightmares Organization & Planning Wedding advices

How not to let your family bully you while planning your wedding

When we got engaged, after the celebrations and the congratulations part, suddenly everybody had ideas on how our wedding should go. It was fun at first, but then they kinda always knew we were a bit crazy and different, and were afraid we’d do something weird that nobody would understand. Most of all, what would the elderly and their friends say? It is funny how society works, because in a way, this part where our parents can feel embarrassed by our wedding choices is very real. They brought us up, so there will always be the feeling that if things go wrong, its also because they failed somewhere on our education. So its not just that they want us to have a “normal-happy” day for us, but also for them, for their sake, and because of what others might think rather being for the sake of the victim, aka you, me, brides in general. And what is even more funny about it all, is that family bullying happens because there is love.

At first we tried to relax them, that it would be a very beautiful emotional party, and that everybody would feel at home. Then, I accidentally popped the word “alternative”, and that is when the world fell apart for everyone. What was alternative? Would people be eating with their hands? What about the music, would it be something everybody would want to dance to? And the venue? What would the venue be? Would there be chairs for everyone? All this questions soon became over-control, then they weren’t asked in a nice way, but in an inquisitory way, and then I started to get very defensive and protective of our party.

While talking to other brides, I realised we were all going through the same, even the most traditional ones.

As soon as I got a wedding planner, things became easier, and I can’t thank her enough for the lessons I’ve learned in what concerns to family pressure. That is why I’m here today: to share my tips, tricks and solutions against family bullying:

  • Anticipate the stress that is coming your way and prepare your answers carefully.

Think about their questions and carefully and run all the sub-questions that might follow. If this is a subject that is very important to you, stick to your guns and do your best to let them see and feel what you feel. More important than explaining with words is letting other live it and experience it. In my case, we wanted a fully vegetarian wedding. So we took our parents to the restaurant that would be doing the catering, and we brought some of their friends as well to try the delicacies we loved. By the end, some of our parents friends were saying they “could actually live like that if this was what vegetarian food represented”. This was a huge victory for us, and even though my father didn’t aprove it much, at least he knew what to expect, and that even though he didn’t love it, he was ok with it. Better than telling everyone “hey guys, you are eating  vegetarian” and having them thinking of scary tofu and salads, was to let them see and taste, and realize that this was good food.

  • Learn how to say No in a polite way.

Everybody will know how to do your wedding better than you; They will have no problems in telling you the many things that can go wrong if you go on with your ideas and how out of your mind you are. But keep in mind whose wedding this is, and politely look them in the eyes, run through the positive side of them giving you ideas and suggestions,say “thank you” and “but no”. In 10 years from now, you don’t want to look at your wedding pictures and remember all the things you hate just because you were told to do so, right?

  • Stop sharing so much and let it all be a surprise.

From my personal experience, I was so excited that I was shouting to the winds all the crazy awesome ideas we had, and with each new one, our families would fringe, say it wouldn’t work, they wouldn’t come if this or that happened. In the end, when they saw it, they loved it, so I realised I would have saved so much stress if I just had kept it a surprise.

  • Include your families in various moments of the day!

This will make them feel like you appreciate their help, good taste and that they have a huge responsibility for the day. Which is true! In our case, we asked our moms to help us on DIY and decor along with our friends, our aunts did all their signature desserts for after dinner (they were so proud and competing against each other, it was hilarious and DELICIOUS!), and my father-in-law helped me do the sitting plan the day before. Also, my mom was with me when I tried on my red wedding dress. We were alone, just the two of us when I came out of the dressing room, and seeing her emotional and crying (even though it was a red dress) was the best feeling in the world. It was our little secret, and it didn’t matter the color or the shape, I had done it with her.

  • Get a Wedding Planner!

Wedding Planners are in this world to help us brides. They are awesome in dealing with parents, they anticipate what can go wrong and know the right people to do what you need. It saves so much stress, and makes you fel like you can finally relax. I gave my mom my wedding planners phone so that they could talk whenever my mom was nervous about something.

I hope these may help you as well! If you have any more tips and tricks, please let me know! And don’t ever forget you are not alone. Email us, tell us whats going on during your planning, let us help you, even if just with an empowerment email. We rebels (even the most traditional ones) should be there for each other. I know I am here for you.

Love,

L

Photos: Dreamaker

Assinatura_AL

***

Quando ficámos noivos, e depois dos parabéns habituais, de repente toda a gente tinha ideias sobre como o nosso casamento devia ser. Foi divertido no início, mas percebi que havia um certo medo associado a isso, sendo que todos sabiam que nós os dois éramos um bocadinho “saídos da casca”. Tinham medo que as nossas decisões não fossem bem aceites e que os convidados não percebessem o nosso dia. Acima de tudo, o que é que os mais velhos, e os seus amigos poderiam dizer/pensar disto e daquilo? É engraçada a maneira como a sociedade funciona e a pressão que ela exerce nas pessoas, como os nossos pais, e em como eles podem ficar envergonhados com as nossas decisões. No fundo, foram eles que nos educaram, e se algo falhar ou for mal entendido, eles também também se sentem de certa forma os culpados, ou porque falharam algures na nossa formação ou porque pode até parecer que compactuaram com isso no nosso casamento! Por isso não é só por nós que eles querem que tenhamos um bom dia, é por eles e pelas pessoas que eles conhecem, mais do que pela sanidade da vítima – eu, vocês, noivas em geral. E o mais giro disto tudo, é que o bullying familiar existe apenas porque existe amor. Ele é o que conecta tudo.

No início, tentámos relaxar todos, explicando que o dia seria bonito, emocional e que estávamos a tentar fazer com que todos se sentissem em casa. Depois, acidentalmente, deixei escapar a palavra “alternativo”, que ainda tem uma conotação muito negativa na nossa sociedade, e foi aí que o mundo descambou. O que é que era alternativo? As pessoas não iam comer com as mãos, pois não? E a música? Seria música que toda a gente gostava? E o espaço? Que espaço seria, se nós não queríamos uma Quinta? Haveria cadeiras para todos? Todas estas questões de repente tornaram-se em controle, depois já não eram feitas de forma querida, e sim inquisitória, e do nada, eu já estava sempre na defensiva e a tentar proteger a nossa festa.

Ao falar com outras noivas, apercebi-me de que estávamos todas no mesmo lugar, até as menos alternativas. Tudo ficou mais fácil assim que arranjei uma Wedding Planner e não tenho mesmo palavras para agradecer o apoio que me deu, especialmente neste sentido. Ela ensinou-me lições valiosíssimas no que toca a pressão familiar e é por isso que aqui estou hoje: para partilhar convosco as minhas dicas, truques e soluções sobre como melhor lidar com bullies:

 

  • Antecipem o stress que aí vem e preparem as respostas com cuidado.

Pensem no que poderá ser-vos questionado e qual a melhor forma de abordar o tema. Se for algo que não estejam dispostos a ceder, por ser muito importante, mantenham-se fiéis a vocês mesmas, e façam o vosso melhor para explicarem e fazerem sentir. Mais importante do que explicar com palavras é deixar que a pessoa consiga ter a experiência. No meu caso, para nós era imprescindível termos um casamento vegetariano, por isso, levámos os nossos pais e amigos deles a jantar ao restaurante que seria o do nosso catering para provarem as coisas de que mais gostávamos. No final, alguns dos amigos dos nossos pais disseram-nos que “poderiam viver assim para sempre, se isto é que era boa comida vegetariana”. A nossa sensação foi de prova superada, e ainda que o meu pai continuasse a não concordar com a nossa decisão, ao menos já sabia o que aí vinha. Podia não adorar, mas também já não era um bicho de sete cabeças. Melhor do que dizer “hey malta, a comida é vegetariana” e tê-los a pensar em tofu assustador e “saladinhas” foi deixa-los provar e perceber o quão bom podia ser.

  • Aprender a dizer NÃO de forma educada.

Toda a gente vai saber como organizar o vosso casamento melhor do que vocês. Não terão qualquer problema em dizer-vos todas as coisas que podem correr mal se forem avante com as vossas escolhas e não se envergonham de vos dizer que “vocês ‘tão mas é maluquinhos”. Mas lembrem-se sempre de quem é que é o casamento, e se for algo em que não querem ceder, olhem-nos nos olhos, apontem os pontos positivos da intervenção dessa pessoa, agradeçam, e digam que não. Melhor isso, do que verem as vossas fotografias daqui a 10 anos e continuarem com o nó na garganta pelas coisas que não queriam ter feito e fizeram contra vontade, não é?

  • Não partilhem tanto.

Na minha experiência pessoal, eu estava tão entusiasmada que só queria gritar aos sete ventos todas as ideias giras que estávamos a ter, e com cada uma nova que chegava, havia família a torcer o nariz, a dizer que não, e que não viriam à festa. No final, com o dia, todos adoraram e descobriram novas maneiras de se fazerem as coisas… eu, aprendi que teria reduzido imensamente o meu stress se tivesse ficado caladinha e tivesse deixado que a maior parte das coisas fossem surpresa.

  • Incluam as vossas famílias em momentos específicos do vosso dia! 

Isto vai mostrar-lhes o quanto gostam deles. Vão sentir-se especiais, que o seu bom gosto é apreciado e que têm uma tarefa de grande responsabilidade e honra naquele dia. No nosso caso, pedimos às nossas mães para nos ajudarem com os elementos DIY da decoração, e elas juntaram-se aos nossos amigos nisso. As nossas tias tomaram conta da mesa das sobremesas (foi tão giro ver algumas a competirem entre si pelo melhor doce e isso fez com que todos fossem incrivelmente deliciosos!). O meu sogro ajudou-me com o sitting plan no dia anterior e a minha mãe estava comigo quando experimentei o meu vestido pela primeira vez. O mais bonito, foi que não importou a cor ou o formato, apenas o facto de que aquele foi um momento só nosso, e que durante muito tempo foi o nosso pequeno segredo.

  • Arranjem uma Wedding Planner!

As Wedding Planners existem neste mundo para nos ajudar. São especialistas em lidar com os nossos familiares, sabem antecipar o que pode correr de errado e conhecem as pessoas certas para nos ajudar nas nossas ideias loucas. Por fim, existem para que possamos relaxar durante o processo, sabendo que ele está em boas mãos. A minha mãe até tinha o contacto da Rita, para que pudesse falar com ela sempre que precisasse. 

E pronto! Espero que estas dicas vos ajudem como me ajudaram a mim. Se tiverem outras a acrescentar, por favor partilhem comigo, e não se esqueçam de que NÃO ESTÃO SOZINHAS. Enviem-nos emails, falem connosco sobre o vosso planeamento. Tentaremos ajudar ao máximo… fica aqui a promessa. Nós rebels (até as mais tradicionais) temos no final os mesmos problemas e os mesmos stresses durante esta fase e deveríamos estar lá umas para as outras sempre. Eu sei que estou. 🙂

Love, L*

 

Wedding nightmares

Nightmares

Wedding nightmares

A friend of mine is getting married this year. While having coffee with her she told me she was having nightmares at night with her wedding planning. As she told me everything that was bordering her in her sleep I couldn’t help but to laugh and feel great empathy with her, since I went through the same thing. That just gave me the idea of creating something special with all you girls who are getting married soon, or who went through wedding nightmares. In the end, we dream about it because we care. What we live by day influences us by night. Be it family bullying because they hate the venue you chose, or because you specifically want that type of flower “x”, or because it is so important to you that your first dance is rehearsed to the beat. It’s a one day in our lives and we want to make it perfect, memorable and special. And then our mind plays tricks on us, that can make us go through a bad moment while in the dream, but that should make us laugh and pay attention to certain details when we wake up.

***

Uma amiga minha vai casar-se este ano e durante o nosso café, contou-me que andava a ter pesadelos com todo o planeamento do casamento. Enquanto me contava as histórias mirabolantes que a mente dela inventava, eu não consegui conter o riso, e ao mesmo tempo, senti uma grande empatia com ela, já que passei pelo mesmo durante a organização do meu! Isso deu-me a ideia de criar aqui convosco uma rubrica para onde podem enviar os vossos pesadelos de casamento caso também estejam a passar pelo mesmo. Tudo o que nos acontece durante o dia influencia-nos à noite. Seja isso bullying familiar porque odeiam o espaço que escolheram para o casamento, seja porque gostavam mesmo de ter as flores “x”, ou porque a vossa primeira dança tem de estar ensaiada até à última batida. Se sonham, é porque se preocupam. É um dia, e um dia unicamente nas nossas vidas, e queremos, claro, que seja único, memorável e especial. E depois, as nossas mentes pregam-nos partidas,que nos podem fazer passar por um mau momento na altura em que estamos dentro da história, mas que depois servem para nos fazer rir, e provavelmente chamar a atenção quanto a alguns detalhes da organização.

girl and dresses

Let me share one of my last years Bride-to-be-Nightmares with you:

So I found myself on my wedding day. I was all dressed up (although I could never really see the dress, because I hadn’t really found it yet at the time), and I was overlooking at the venue. I didn’t know anyone in it. I believe this had to do with some of the arguments that occurred when making the guest list and suddenly I find out about cousins I had never seen or people I “really should invite” because its a shame if they don’t come even though I never ever ever ever see them.
I was curious about the food (since we were having a vegetarian wedding),  so I went into the kitchen and I found the only catering company I had spoken with so far (at the time), and they were preparing everything. The chef said “Heeey! Congrats Ana Luisa! Everything is ready!” and I answered “Hi R…. but you didn’t even send me your budget yet. How much is it per person?”. He answered “75€!” and I went “75€?! But how? Those are not the numbers you told me on the phone. I can’t pay 75€ per head. How am I going to pay that?”. Again, we wanted a vegetarian wedding. Very fresh, a buffet with lots of options, fun delicious summer food. Not every element in the family was happy about it but we wanted them to have the experience of how delicious veg food could be.
Back to the dream, R. says “Well, we can exchange services. You could photograph all the food once we set it in, for us to put on our website and use on social media…”. And there it was… one of the things I am asked the most as a freelance photographer: exchange of services. And there I went, on my dream, I was on my wedding gown, and I started photographing all the food arrangements so that I could pay for the catering. People called me and I couldn’t be with them, cause I had to pay for the catering.
Then, and after going through a nightmare because my camera didn’t want to work (another of my fears as a photographer), music started to play. It was on mine and Miguels plans to have a very musical day (as we ended up having). He has a band, his friends have bands, so we were planning on having lots of live music. So suddenly, it was like the venue grew and I found myself in a space that had the size of a music festival, with stages spread across the field. People looked so tinny on the venue. So I was rushing from stage to stage so that I could see my friends play, and then some stages had more people than others and I was so worried that I started bringing people (that I didn’t know) from one stage to the other and while that, I thought “I haven’t even seen Miguel today yet”, and “I am having no fun at all”, and “the tables are not set yet for dinner”. In the middle of all of this, a cousin of mine appeared in my dream and said, “Ana Luisa, you smell so bad. You are sweating all over.” I thought to myself “Oh no!! This is so bad! I smell bad in my own wedding!”.
***
Deixem que partilhe aqui um dos meus pesadelos de noiva:

Dei por mim em pleno dia de casamento. Vestida (mas nunca consegui ver o meu vestido, quando olhava para baixo era tudo nevoeiro, e isto porque ainda não tinjo vestido na altura), e ao olhar à minha volta, não conhecia as pessoas que lá estavam. Acho que isto tem a ver com aquelas discussões de família onde de repente aparecem aqueles primos que não sabemos que temos até sermos pedidas em casamento, e de repente há toda uma família que devia vir.

Desloquei-me à cozinha do espaço e vi que estava lá a única equipa com quem já tínhamos falado sobre catering. Dizem-me “Ana Luisa, parabéns! Temos já tudo pronto para servir!” Ao que eu respondo “R., olá, mas… eu ainda nem tive o seu orçamento… quanto é que fica por pessoa?” E ele diz “75€!” Ao que eu respondi “75€? Mas eu não consigo pagar isso! Como é que é 75€? Nós falámos por alto noutros valores… eu não tenho esse dinheiro, como é que eu vou pagar?”
Atenção, nós queríamos muito um buffet vegetariano, muito fresco, buffet, cheio de opções, comida de verão, bonita e deliciosa. Tapas vegetarianas, hambúrgueres vegetarianos para a ceia, saladas, sobremesas e afins. Tive alguns elementos da família não muito contentes com a opção, mas eu e o Miguel queríamos mostrar o quão deliciosa pode ser uma refeição vegetariana, cheia de opções, sem coisas estranhas.
Voltando ao sonho, o R. diz-me “Olha, só se fizermos uma troca de serviços. Eu monto as mesas e o buffet e tu fotografas tudo para eu meter no meu site e redes sociais!”. Lá está. Medos de uma fotógrafa freelancer e propostas que nos fazem constantemente.
Então, lá fui eu, vestida de noiva, buscar a minha câmara, e fui fotografar todos os elementos de comida do meu casamento. As pessoas diziam “Ana Luisa, o que é que aí estás a fazer?” e eu respondia “é para pagar o catering”!
Depois disto, e com a minha câmara a não querer funcionar (outro medo de fotógrafa, que num trabalho a câmara dê o berro), começou a música a tocar. Eu e o Miguel estávamos a planear uma festa muito musical, com bandas de amigos nossos a tocar. De repente, apanhei-me num terreno estilo Rock in Rio, onde os convidados pareciam formiguinhas num espaço tão grande, e dei por mim a correr entre palcos para conseguir ver tudo. Enquanto passava de um palco para o outro pensava “ainda não vi o Miguel hoje!” e “Fogo, não me estou a divertir nada” e “Ainda não foram preparadas as mesas para as pessoas comerem”. Então havia alguns concertos cheios de amigos a assistir, e outros sem ninguém. Eu a sentir-me mal com isso e a tentar puxar pessoas (que não conhecia) a estarem espalhados pelos concertos que aconteciam ao mesmo tempo. No meio uma prima minha chega ao pé de mim e diz “Ana Luisa, estás a cheirar tão mal. Andas a correr de um lado para o outro e cheiras mesmo mal!”. Eu fiquei em pânico. Estava a cheirar mal? Que horror!!
confetti chuva
Dinner service started and I rushed to see if everything was ok. I realised people had no place to sit (because we hadn’t thought of where the tables would be yet), and then I looked to the side, and I saw my father on the grill, making roasted chicken and pork. My father was cooking! “Not everybody likes vegetarian, Ana Luisa! It’s not normal on a wedding to not have meat or fish!” (which was what he told me when we spoke on the phone and argued about it). I decided, in the dream, that I didn’t wanted to fight.
On the other side, the veg food was turned into a fruit market. Only boxes with fruits. And people were having watermelon with chicken. Surreal.
I stepped aside, and I found Miguel, and I hugged him. Finally, something normal and good. I was really missing him and he then tells me “I am really enjoying this, Ana. I am having so much fun”. And when I woke up I realised this is another thing I love about him. That everything is always so ok. He is never bothered with details. He is just such a laid back person and everything is fine. It’s so simple and beautiful.
In the dream I told him I was not having any fun, and he told me we could just stay there where we where  where I found him, in a long hug.
That’s when I woke up.
***
Começou a abertura do jantar. Apercebi-me de que as pessoas ainda não tinham onde se sentar (isto porque no espaço de que gostávamos ainda não tínhamos percebido onde íamos meter as mesas), e ao correr para a zona da cozinha, tal não é o meu espanto quando vejo que à porta, está o meu pai a grelhar frangos e havia um porco no espeto! O meu pai, atenção, estava a grelhar os frangos. “Nem toda a gente gosta de vegetariano, Ana Luisa! Não é normal um casamento ser vegetariano!” Que era exactamente o que ele me dizia ao telefone quando falávamos sobre o assunto. Eu decido, naquele momento, que não quero discutir.
Olhei para o lado, e o casamento estava transformado num mercado de fruta. Só havia caixas de madeira cheias de fruta. As pessoas estavam a jantar melancia com frango. Surreal.
Quando me afastei, encontrei o Miguel e abracei-o. Finalmente um bocadinho de normalidade. Ao que ele me disse “Estou a gostar tanto. Estou mesmo a divertir-me”. É tão dele. Uma característica que adoro. O facto de estar sempre tudo tão bem para ele. O facto de que nunca há problemas, tudo está ok.
Contei-lhe que o dia não me estava a correr nada bem, e ele disse-me para ficarmos um bocadinho ali sossegados e num abraço quentinho. Foi aí que acordei.
1844_M+L

Our wedding day ended up being magical and everything that we wanted. We chose a beautiful (and very old) venue, kinda like a theatre, the vegetarian catering was amazing, and the concerts were priceless. Oh, and I wore a red dress, like I’ve always wanted since I was a kid. Nothing normal about all this, I know, but it was really our way.

***

O nosso dia de casamento acabou por ser mágico. Foi tudo o que sempre desejámos. Escolhemos um local lindo para a cerimónia e festa (a Caixa Económica Operária), que tem uma espécie de teatro dentro, o catering vegetariano foi maravilhoso, e os concertos foram incríveis.

Ah, e vesti um vestido vermelho, como sempre quis, desde miúda. Sei que não há nada de normal nisto, mas foi mesmo como nós o visionámos.

foot and body glitter
In the end if you are having this dreams like I did, try to relax. Everything is going to go well. If you dreamt about it, it means you care a lot, which will help you be extra careful here and there. Just breathe, get together with your girlfriends, have a laugh about it, delegate tasks, and please do share your stories with us through SHARE@SWEETREBELBRIDE.COM with the subject “Wedding Nightmares“. You are not alone!
xoxo, Luisa

***

No final, se estão a ter sonhos como eu tive, e esta minha amiga, tentem relaxar. Tudo vai correr bem no final. Se sonharam com isso, mais uma vez, significa que se importam, o que vos vai ajudar a ser mais cuidadosas aqui e ali. Respirem, juntem-se com as vossas amigas para tagarelarem sobre o assunto, e por favor partilhem as vossas histórias connosco para o SHARE@SWEETREBELBRIDE.COM com o assunto “Wedding Nightmares“. Não estão sozinhas!

beijinho, Luisa

Assinatura_AL

Credits: featured image | Hair | Dresses found on Style me Pretty | Confetti ballon | My Wedding photo by Dreamaker | Foot | Body