Friends&Family Nightmares Organization & Planning Wedding advices Wedding Inspiration

ALL or NOTHING syndrome: How NOT to get carried away by what your wedding doesn’t need

When I was engaged and during planning, some of the phrases I’d hear the most whenever in doubt for something for the wedding would be “it’s a one day in your life”, “it’s a day that will never be back”, “go all the way, you’ll never be a bride again”.
Those phrases would actually cause anxiety in me, as they caused the feeling that I would miss out or regret not doing or having something on our day.
Eventually, I had to put an end to it for my mental sanity. Being a bride can be really exhausting, and although we want to be nice to everyone and thank everyone for their ideas, there has to be a moment we put a stop to it and go with our guts. With what makes sense to our hearts.
When I come to think about it, there was this one thing that really was the stamp and the moment where I recovered my mental health again…

 

My SHOES

Yep, that’s right. My shoe choice was what brought me back to me and to what I wanted for my wedding. It could have been something else, sure, but it works differently for everyone, and that is what makes this fun.
In my case, I’ve always been simple in my choices. We wanted a very simple wedding, DIY, where music was the focus. That is how the idea started.
Then, as we began sharing our ideas, we started to get overwhelmed with the “oh, c’mon, it’s your wedding day, not a regular party, bling that up a bit”, or “really, you are not having flowers on your wedding, how can that be? Never heard of a wedding with no flowers! Save some of your money for that, please”. I’ve never been that type of person who gets easily influenced, but when it comes to weddings, it is very common to see brides having new necessities created by those who mean to them, and here, I was no exception. So little by little, I started needing a piano player for the cocktail, flowers everywhere, furniture to cover places that were more empty, a bathtub just for the fun of it that we’d fill with ice and gin bottles, I started worrying that people might not like this or understand that and all of the sudden, I was flooded with “important” things in my mind that I had never considered before.
But as I started this topic, shoes were what brought me back to being myself: My bridesmaid Andreia is a fashion guru. She has really good taste, and has beautiful shoes for every occasion, so it was only normal that she’d advise me that my shoes should make a statement when I walked in. At first, I told her “Nah, my dress is big enough, no one will look at my shoes, and that is not an expense I want to worry about”. “Ana Luisa, you only get married once, shoes are such an important thing on a bride and looking good”. And she is right, I know this. But it just wasn’t important to me… until I started to get obsessed with shoes that would make a statement.

 

How the madness ended

I am a big feet girl. Like, my feet are really huge, which makes it very hard to find some that look good on me. Most shoes look beautiful in smaller sizes and look kinda freaky when made bigger. As I was doing my search, a lot of my energy was put into it and I kept on finding shoes and sending pictures of them to my bridesmaids and the answer would be “nope”, “too simple”, “weird”, “You can do better” until one day, after gym, I passed by a shoe store that was in sales, and I saw them. Simple, not expensive, and exactly what Ana Luisa from a few months ago would have bought as her statement shoes. I thought to myself “That’s it, I will stop this nonsense and go with my guts”. I bought them (ahem, for 12.99€), and I felt really good about myself on that moment! It is not the fact that they were cheap, because my message today is not about asking you to go low cost. What I mean is the part where I felt really good with my choice. They could even have been 150€ if I had loved them. It’s not what matters today. They were sweet, my size, the kind that I liked, simple, comfy, and I am actually wearing them today as I write you, which was another thing I really wanted.
After that, I decided to breathe and make a lot of decisions that would make our life easier: no piano player, no extra furniture, damn, no flowers, and yes, my shoes were simple, but were exactly what I wanted.

 

Tip for my brides as a wedding photographer

It was easy to give advices before being engaged on “It has to be what you want and makes you happy”. But now that I’ve been on that situation, I really mean what I say. I have more empathy with my brides now that I’ve been through the process that leads to the wedding day. It is very common to me to have them telling me what bothers them, sometimes I go with them to their dress fittings, and it is now part of who I am to also calm them down on problems they are finding along the way until the aisle.

Most of it actually is about todays post. Them wanting it all, even what they after realize they don’t need. A friend of mine shot a wedding once (and I always use this example) where when the bride looked at herself in the mirror after prepping, she started having a panic attack because it was just too much. She had been influenced on having a big hair, being big on makeup, big dress, statement shoes, out of this world bouquet, and when she put everything together, it was just not who she was.

I have nothing against going big, as long as it is what the bride really wants, and not what she was influenced to have by the people who mean to them. (Oh, and that bride eventually looked like how she wanted. In her case, she needed to simplify it with her glam team until she felt like her true self).

So my first question to my brides as soon as they get engaged is “How do you see yourself on your wedding day?”. Then, I ask them to take notes of that, so that whenever they are caught on a situation of rather huge exterior influence, they can look at what they wrote and keep track of their initial dream. Of course things can change, and when you really enter the wedding prep world a lot of new things you didn’t know existed appear in front of you, but having that first dream in hand can really help balancing between the first idea and the new things.

The second question is “In the end, when you look back at your wedding photos, what do you wish to see there?”

This could make it a lot easier on the choices! And the answer is always “I want to look happy” and that really only depends on you, and being true to yourself at all times.

 

What happened to me in the end

I wore my red dress, the shoes I wanted, and yeah, a few things changed along the way, like my hair, which I had two different styles, that still were me, but that gave that bling to how I looked. And this was actually not my idea, and I loved it.
I ended up having (a few) flowers, which I agreed made it all look prettier and a few little things my wedding planner thought of and that completed our day beautifully, but I am now relieved that we learned how to say NO to the things we really didn’t need.

 

My biggest lesson was that it doesn’t have to be ALL or Nothing. You will find true happiness in what is just the right amount for you. So hold that prep by its horns, and show (kindly) who the bride is.
Photos: Dreamaker
Assinatura_AL
***

 

 Quando fiquei noiva, e durante o planeamento, algumas das frases que mais ouvia em tempos de dúvida com alguma coisa para o dia do casamento eram “é um dia que só acontece uma vez”, “esse dia nunca mais vai voltar”, “faz à grande, porque nunca mais voltarás a ser noiva, aproveita”.
Estas frases na verdade causavam-me um grande grau de ansiedade e medo de me arrepender de não ter algo ou de fazer más escolhas.
Eventualmente, e pela minha sanidade mental, tive de tomar medidas que me protegessem destas três frases fatais para qualquer noiva. É que a preparação é algo de muito exaustivo, e embora quisesse ser querida com todas as minhas pessoas especiais e agradecer-lhes os inputs para o nosso casamento, a partir de um certo momento temos de começar a agir no que nos faz real sentido. No que faz o nosso coração cantar.
Quando penso no momento que foi a viragem da situação em que estava de “demasiada informação”, é engraçado, mas sei exactamente o que é que foi o meu grito do Ipiranga… 

 

Os meus sapatos

Yep, foi isso mesmo. A compra dos meus sapatos foi o que me trouxe novamente a minha sanidade mental de volta. Poderia ter sido outra coisa qualquer, claro, mas a piada está mesmo em sermos todos diferentes!
No meu caso, sempre tive em mente um casamento simples. Muito DIY, onde a música fosse o foco.
Depois, quando começámos a partilhar as nossas ideias, começámos a ficar sobrecarregados de informação e de “Oh, vá lá, é o vosso casamento, não é só uma festa, dá lá mais power nisso!” ou “Não queres mesmo ter flores no teu casamento? Nunca vi tal coisa!”
Eu nunca fui do tipo de pessoa que se deixa influenciar facilmente, mas no que toca a casamentos, é muito comum ver noivas com novas necessidades geradas por aqueles que lhes são mais especiais, e eu não fui excepção. Assim, aos poucos e poucos, comecei a precisar de uma pianista para o cocktail, flores por todo o lado, mobílias para as zonas mais vazias, uma banheira (só porque sim) cheia de gelo e garrafas de gin. Comecei a ganhar medos tontos de que se não fosse assim, as pessoas não iriam gostar, ou achar tudo demasiado simples. Estava verdadeiramente inundada de coisas “importantes” que nunca tinha antes sequer considerado.
Mas comecei este tópico a falar-vos dos meus sapatos me terem trazido novamente a “mim”: Uma das minhas madrinhas, a Andreia, é muito entendida em moda. Ela tem um excelente gosto, tem sapatos lindos para várias ocasiões e era normal que me aconselhasse a ter uns para o meu casamento que fossem uma assinatura da minha personalidade, que fossem mais “tcharan“. Ao princípio disse-lhe “Nah, não me vou preocupar muito com isso, quero algo muito simples“, mas depois, tornei-me verdadeiramente obcecada com encontrar os sapatos certos.

Como é que a loucura terminou

Eu tenho uns pés enormes. Mas mesmo, mesmo grandes para uma menina… e sempre me foi complicado e uma verdadeira frustração encontrar o que quer que seja para calçar, quanto mais para cerimónia, onde em pequenos são sempre bonitos mas em tamanhos grandes parecem uns barcos muito muito feios.
Sempre que encontrava algo possível, enviava às minhas madrinhas por mensagem, tinha as respostas delas, gastava toda a minha energia naquilo, mas estava mesmo destinada a não encontrar os tais “tcharan“. Até um dia, em que depois do ginásio, passei por uma loja que estava em saldos e vi-os ao longe. Eram simples, nada caros, e exactamente o que a Ana Luisa de há uns meses atrás teria escolhido. Calcei-os e pensei “É agora, Ana Lu. Vais acabar com esta loucura e vais terminar a saga dos sapatos imediatamente”. Então comprei-os (ahem, por 12.99€), e senti-me mesmo muito, muito feliz comigo mesma. A minha mensagem de hoje não é sobre optarem por low cost, atenção. É exactamente sobre encontrarem aquilo que vos faz felizes. Aquilo que vos dá o clique do “já está!” Podiam até ter custado 150€. Quando os calcei, eram aqueles. Era aquilo que eu queria. Aquele é o meu estilo e pronto. (E hoje estou com eles calçados e tudo!)
Depois disto, decidi respirar fundo e tomar uma data de decisões que tornariam a nossa vida mais simples: Nada de pianista, nada de mobílias extra, nada de flores, etc, etc.

 

O que tento passar a todas as minhas noivas enquanto fotógrafa de casamentos

Eu já dava alguns conselhos antes de estar noiva no que toca a “tem de ser o que te faz feliz e não o que te impõem”, mas depois de ter passado por um planeamento, depois de quase ter desistido de fazer o casamento 3 vezes pelas chatices da organização e por finalmente ter casado, ganhei uma empatia diferente com as minhas noivas. Conheço o processo, sei que não é só borboletas e magia, e tento estar lá para elas nos desabafos, na prova do vestido, e no dia, a acalmar qualquer situação que seja necessária.
O que noto, é que a grande maioria das preocupações têm a ver com o post de hoje. Com coisas que antes “não percebiam que afinal não precisavam”.

Uma amiga minha fotografou um casamento um dia (e eu partilho muitas vezes esta história), onde ao terminar de se arranjar, a noiva olhou para o espelho e começou a ter um pequeno ataque de pânico. Sentiu que estava tudo “demasiado” grande. Tinha sido influenciada a querer tudo e tudo em grande por ser um dia que só acontece uma vez, e tinha-se esquecido do que realmente queria inicialmente. O cabelo estava muito tcharan, a makeup estava tcharan, o vestido era tcharan, os sapatos eram tcharan, e ela queria na verdade muito menos. (Não se preocupem, com uma nova intervenção da sua glam team ela ultrapassou o sucedido e conseguiu um look onde se sentia confortável, mas poderia ter evitado o ataque de pânico).

Não tenho nada contra ser-se/ter-se “tcharan” no casamento (até gosto bastante), desde que seja o que a noiva realmente quer e não por influência externa.

Assim, um bom exercício que gosto de colocar quando a noiva vem ter comigo pela primeira vez e se desabafar sobre o assunto é “Como é que te vês no dia do teu casamento?”. Depois, peço-lhe que tire notas do que me acabou de dizer e que as guarde com ela religiosamente. Assim, sempre que se apanhar numa situação de dúvida, pode sempre olhar, ler, e seguir caminho confiante nas suas decisões.  Manter-se no caminho certo. É claro que muitas coisas mudam entretanto, especialmente quando já se vai em velocidade cruzeiro na preparação do casamento e somos alvos de tantas coisas lindas e novas que vão aparecendo em revistas e sites ou nos casamentos das amigas, mas um bom balanço entre o que queremos à partida e o que se nos é apresentado é o ideal.

A segunda pergunta é “Como é que queres olhar para trás para o teu dia, e rever-te nas tuas fotografias de casamento?”

A resposta normalmente é “Quero estar feliz”, e isso só depende das escolhas que fizer, e se se mantiver fiel a si mesma sempre.

 

O que aconteceu comigo no final

Vesti o meu vestido vermelho, calcei os sapatos que queria, e sim, mudei de ideia em algumas coisas pelo caminho, como no meu cabelo que acabou por ter dois estilos diferentes e que sinto que deu aquele bling bling que o meu look precisava (e a ideia não foi minha!). Acabei por ter (algumas) flores, que realmente deram um toque feliz à decoração, e cedi em algumas ideias da minha wedding planner que também tornaram tudo mais fácil e eficaz, mas estou orgulhosa por no final ter aprendido a dizer que NÃO e a largar aquilo de que não precisava.

A minha maior lição foi a de que não é preciso ir a extremos do tudo ou nada. Que vais encontrar a felicidade naquilo que é a quantidade certa para ti e para o teu casamento. Por isso agarra o planeamento pelos cornos, e mostra (de forma simpática) quem é que é a noiva. 

 


There is no ads to display, Please add some

Leave a Comment