Real Wedding Wedding advices Wedding Inspiration

Why Sweet Rebel Bride is so important to me.

If you read my personal blog, you probably already know this: It was not easy to plan our wedding.

Since we got engaged to each other, we always knew we’d never have a traditional day, but something that reflected us, what we liked and who we were as a couple, and that meant breaking a few “rules”.

M&L Wedding - Sweet Rebel Bride-7M&L Wedding - Sweet Rebel Bride-104M&L Wedding - Sweet Rebel Bride-30M&L Wedding - Sweet Rebel Bride-34

Everything was beautiful and fun until we started sharing our ideas. It’s crazy how nobody tells you how to live your life until you get engaged. Then, everybody knows what is right, accepted, normal and exactly what you should do and have, and believe me, they have no problem in telling you how out of your mind-crazy-nuts you are.

M&L Wedding - Sweet Rebel Bride-114 First thing I did: find a good wedding planner that besides everything, would be able to think outside the box. Also, she had to be exquisite in dealing with traditional parents.

Even getting the most amazing planner I could, when she was not around, I was pressured by my family; Some said that if this or that would be as I was saying  – “they would not come”; Vendors most of the times weren’t able to think outside the typical and said NO to pretty much everything; Our budget, that was limited, wasn’t enough for the things we needed… Also, since it was “different”, everybody tried to charge us more just for the fact that things were not as they were used to do in other weddings.

That’s when it hit me: This was gonna be harder than I thought. And then, from the very first moment, I knew I was going to breathe as much information as I could about my experience, take note of everything (good and bad), to one day try to make it easier for other brides out there, that like me, would like to have a very special and unique day, their way. I didn’t even know Sweet Rebel Bride would exist by this time, but it was already in my destiny. And our wedding would be the trigger for a life changing experience and belief in wanting to help other couples, specially brides out there, going through trouble just because they wanted a wedding that matched who they truly were.

M&L Wedding - Sweet Rebel Bride-116M&L Wedding - Sweet Rebel Bride-41M&L Wedding - Sweet Rebel Bride-117M&L Wedding - Sweet Rebel Bride-118M&L Wedding - Sweet Rebel Bride-46M&L Wedding - Sweet Rebel Bride-47M&L Wedding - Sweet Rebel Bride-48We settled everything the day before and on the morning of the wedding. Decor, rehearsals for our songs, sitting plan, last details.

Right before entering the ceremony, I remember being happy but a nerve reck at the same time. We all screamed together to let bad energies go away (I had the best bridal team ever!) had a glass of Rosé, and when Cochaise started playing “Amanhã Lava-se” I decided to throw away all bad thoughts and anxiety of what might go wrong. There was no turning back now. Our day was ready, and all we had to do was live it well. And you know what? It was all perfect and this made us SO PROUD. Mission accomplished, really. Not only had we stick to our guns, as we had introduced our loved ones to a new way of doing things… Our way!

M&L Wedding - Sweet Rebel Bride-119M&L Wedding - Sweet Rebel Bride-52M&L Wedding - Sweet Rebel Bride-56M&L Wedding - Sweet Rebel Bride-57M&L Wedding - Sweet Rebel Bride-121M&L Wedding - Sweet Rebel Bride-122

But what made our planning and W-day different? In a nutshell, we sent our invitations through Facebook, decided we wanted to spend our last single night together, despite of what tradition says (he actually saw my dress by accident, on the wedding morning after keeping it hiding for so long. We laughed and hugged about it.)

We had a 100% vegetarian day buffet (this was really important to us), and we didn’t want to cut the cake, so we asked our parents to do it for us, as a symbol of both families coming together. I wore red, he wore thrifted, his band played for our entrance and a friend of ours was our officiant (we did the civil wedding on another day, in secret, just the two of us).

M&L Wedding - Sweet Rebel Bride-70M&L Wedding - Sweet Rebel Bride-69M&L Wedding - Sweet Rebel Bride-75M&L Wedding - Sweet Rebel Bride-127M&L Wedding - Sweet Rebel Bride-78M&L Wedding - Sweet Rebel Bride-83M&L Wedding - Sweet Rebel Bride-84

As for our guests, and the fact that we were on a budget, the best way to have everyone we wanted there was to divide the group in two: family and closest friends for the ceremony and dinner, and then all our friends and coworkers joined us for the party from 10:30 pm on. It was a child-free wedding, and we told our friends to dress as they pleased, but NO ties, no bow ties, no uncomfortable stilettos, no Oscar-type gowns. Miguel’s band played right after dinner, then the amazing Cais do Sodré Funk Connection (for which we had a crowd-funding going on with Prontos para Casar and thanks to friends, family and Doce para o meu Doce readers, we were able to hire them), then two awesome DJs. As for the late night snacks table, the most talented women in our both families were in charge and they did their most awesome and signature desserts along with cheeses, breads and gazpacho (hello, summer night!). We arrived at our hotel room at 8:30 in the morning. Best day of our lives. (Detailed day soon on Doce para o meu Doce)

M&L Wedding - Sweet Rebel Bride-129M&L Wedding - Sweet Rebel Bride-93

Yes, there will always be things that didn’t go exactly according to planned or that you could have done a little different, but the most valuable thing I can ask you today is to please stay true to yourselves at all times. This message represents why Sweet Rebel Bride is so important to me. Times can get rough during planning, but I promise you it will turn out to be rainbows and confetti if only you do what you believe in. Don’t quit. Stick to your guns. It doesn’t matter in the end if you are an alternative or traditional bride, as long as you are you. That way, you’ll never regret your decisions.

M&L Wedding - Sweet Rebel Bride-102M&L Wedding - Sweet Rebel Bride-99M&L Wedding - Sweet Rebel Bride-96

And here is a little secret that you won’t be able to see most of the times (I couldn’t while still on the planning journey): your friends and family can get harsh on you, but above all, because they LOVE you. And because they want the day to go as smooth and beautiful just as you do, so sometimes changes can bring uncertainty and doubts to them, but filter what you need, think about their opinions, consider them, and ultimately, don’t forget that this is your day. That you and your husband are one of a kind. Your wedding should be just like that.

M&L Wedding - Sweet Rebel Bride-86

Our only wish, is that you can have the day of your dreams, and I truly hope that the path we are discovering and building through Sweet Rebel Bride will make the task a lot easier for you than it was for us as a couple doing everything from scratch in a still so traditional country. Good luck ladies. Have a very happy week!

M&L Wedding - Sweet Rebel Bride-130

(See the rest of the gallery bellow as well as our highlights video)

[vimeo 139358857 w=780 h=358]

Event Planning: Wedwings | Bridal Dress: Etxart&Panno | Hair: Nuno de Oliveira | Make up: Rita Catita | Rings: Ritarte | Invitations + K7 Design: Feliz é Quem Diz | Illustration + Stamp: Dear You From Kozue | Florist: My Sweet Ambiance | Reception + Ceremony Location: Caixa Económica Operária| Day-Of Paper Company + Brand: Vint3 | Book of honour: Giggles Party Pack | Vegetarian Catering: Paladar Zen | Drinks and service team: Cockpit Bar | Valet + Transportation: UBER | Photographer: Dreamaker | Videographers: Vanessa & Ivo | Cake + Desserts: Claríssima + Family|  | Entertainment Company + Selected Entertainer: Cochaise, Cais do Sodré Funk Connection, Johnny Guitar and Mike Stellar

Assinatura_AL

***

Se lêem o meu blogue pessoal, provavelmente já sabem isto: Não foi fácil organizar o nosso casamento.

Desde que ficámos noivos percebermos que nunca teríamos um casamento tradicional. Queríamos algo que reflectisse a nossa relação, o que mais gostávamos e quem éramos um com o outro e isso implicaria quebrar algumas “regras”. Tudo parecia que seria fácil e maravilhoso até que comecei a partilhar as nossas ideias. É engraçado como ninguém te diz como deves viver a tua vida até ao momento em que te vais casar. Aí todos sabem o que é que é correcto, aceitável, normal, e exactamente como é que o deverias fazer… e acreditem, essas mesmas pessoas não têm qualquer problema em dizer-vos o quão estapafúrdias as vossas ideias são e o quão maluquinhas vocês parecem.

Assim, a primeira coisa que fiz foi arranjar uma wedding planner que me apoiasse na minha loucura. Acima de tudo, ela teria de saber pensar fora da caixa e de ser maravilhosa em ajudar-me a lidar com pais mais tradicionais (meus e dele).

Nestas funções, ela foi tudo o que eu precisava, mas o difícil acontecia quando estávamos por nossa conta. Foi difícil partilhar ideias com pais e restante família. A pressão muitas vezes levou-me a querer até desistir de fazer a festa, a duvidar de mim mesma, e a quase ceder em coisas que eram mesmo muito importantes para nós. Vivi momentos em que me diziam que não viriam à festa se esta ou aquela ideia fosse avante, fornecedores muitos vezes diziam que não a tudo simplesmente porque não era o que estavam habituados a fazer, e descobrimos que o nosso budget não era o ideal para o que precisávamos… e muitas vezes, já que queríamos algo com tanta coisa fora do comum, tentavam cobrar-nos o dobro.

Foi aí que me apercebi de que isto seria mais complicado do que pensava, e então, tomei a decisão consciente de tomar nota de tudo o que se passaria nesta experiência (bom e mau), para um dia poder tornar a tarefa de outras noivas de alguma forma mais suave do que a minha foi. Para que elas conseguissem ter o seu dia à sua maneira como também eu queria. Nesta altura, ainda não sabia que existiria a Sweet Rebel Bride, mas ela já estava no meu destino. E o nosso casamento seria o gatilho para uma experiência que me mudaria a perspectiva sobre estes eventos, e para o quanto eu queria ajudar noivas a terem o casamento que combinasse com as suas personalidades.

Preparámos tudo no dia anterior e na manhã do casamento. Decoração, ensaios para as canções, sitting plan, último detalhes. Eu estava tão feliz mas uma carga de nervos quando chegámos ao local já para o casamento. Juntas soltámos um grito de boa sorte para afastar as coisas más, bebemos um copo de Rosé, e quando os Cochaise começaram a tocar a “Amanhã Lava-se” decidi atirar para o lixo todos os maus pensamentos e ansiedade pelo que poderia correr mal. Já não havia volta a dar. O dia estava pronto, e tudo o que tínhamos de fazer era aproveitar. E sabem que mais? Foi perfeito e isso fez-nos tão orgulhosos! Sensação de missão cumprida, na verdade. Não só tínhamos continuado fiéis a quem éramos, como introduzimos os nossos mais queridos a uma forma nova de ver as coisas… a nossa forma!

Mas então o que é que fez com que o nosso planeamento e dia fossem “diferentes” e causassem alguma impressão antes de tudo acontecer? Muito resumidamente, enviámos os convites pelo Facebook e decidimos que passaríamos a nossa última noite de solteiros juntos, apesar do que manda a tradição (ele acabou, por acidente, por ver o meu vestido antes do casamento depois de o ter escondido durante tanto tempo. Rimos sobre o assunto e abraçámos-nos muito).

Tivemos uma festa 100% vegetariana, e não queríamos cortar o bolo, mas pedimos aos nossos pais para o fazerem, como símbolo das duas famílias que agora se uniam. Eu vesti vermelho, e ele comprou a roupa dele em lojas de segunda mão. Não lemos os votos, e quem nos casou foi uma amiga nossa, fazendo a mais linda cerimónia simbólica a que já assisti na vida (mas foi a minha, por isso sou suspeita). Casámos os dois no civil noutro dia diferente, em segredo, e quisemos estar só os dois, sem mais ninguém.

Quanto aos nossos convidados, e o facto de que estávamos com um budget limitado, decidimos que a melhor forma de termos todos os que nos eram importantes naquele dia seria dividindo o grupo. Família e amigos chegados para a cerimónia e jantar, e depois todos os nossos colegas de trabalho, e restantes grupos a partir das 22h30 para a festa. Pedimos que viessem vestidos como quisessem, mas proibimos gravatas, sapatos desconfortáveis e roupa de “Óscares”. Pedimos a todos os pais que deixassem as suas crianças com babysitters para virem dançar noite dentro, ao som da banda do Miguel, dos Cais do Sodré Funk Connection (que conseguimos através de um crowd-funding com os Prontos para Casar e com a ajuda da família, amigos e leitores do Doce para o meu Doce), mais dois DJs amigos nossos. A mesa de ceia foi preenchida com as delícias feitas pelas mulheres das nossas famílias, que fizeram as suas sobremesas de assinatura (ainda hoje se fala no cheesecake da tia Isabel entre outros), mais queijos, pães, gaspacho bem fresco (hello, noite de Setembro, pleno verão!). Chegámos ao nosso quarto de núpcias eram 8h30 da manhã, e tínhamos acabado de viver o melhor dia das nossas vidas. (Tudo isto vai ser mais detalhado no Doce para o meu Doce.)

Sim, há sempre algo que poderia ter corrido melhor, ou algo que faríamos diferente, mas no final do dia, importa que estejamos felizes com as decisões que tomámos. E aquilo que de mais valioso vos posso pedir é que sejam fiéis a vocês mesmas. Esta foi a lição mais importante que tirei desta experiência e é a razão pela qual a SRB é tão importante para mim. A vida pode tornar-se um bocadinho difícil durante o planeamento, mas prometo-vos que o dia vai ser como um arco-íris com confettis se se dedicarem à tarefa de serem fiéis a quem são. Não importa aqui se são mais alternativas ou tradicionais, desde que as vossas decisões reflitam o vosso eu, e vocês em casal. Só assim é que nunca se arrependerão das decisões que tomarem.

Os amigos e família vão sempre trazer resistência em muita coisa, mas tenham em mente também que isso só acontece porque eles vos amam. E porque acima de tudo, querem também que o vosso dia corra bem, tal como vocês! Mas filtrem o que precisam, considerem, cedam em algo se tiver de ser, mas em último caso, nunca se esqueçam de quem é o dia.

O nosso objectivo  na SRB é que consigam ter o dia com que sempre sonharam. Queremos facilitar o caminho para que o vosso planeamento e dia sejam mais suaves do que o nosso foi enquanto casal. Esperamos conseguir dar-vos a força e construir as pontes para que tudo corra de forma bonita e feliz e trazer-vos a garra necessária para que nunca se esqueçam de que vocês e os vossos parceiros são one of a kind, e que o vosso casamento tem de ser tal como vocês são: Únicos.

Boa sorte, meninas! E que tenham uma semana feliz!


There is no ads to display, Please add some

Leave a Comment

Comments (5)

  1. Olá Ana Luísa 🙂

    Passei exactamente pelo mesmo há praticamente dois anos atrás. Sempre quisemos casar fora de Portugal, apenas com a família e os amigos mais próximos e sem um montão de coisas com as quais nunca nos identificámos e/ou sempre achámos desnecessárias. Além disso, queríamos casar no Natal e fazer um casamento natalício (afinal, foi quando nos apaixonámos e é uma data que continua a ser muito importante para nós!). No fim foi um drama bem maior do que o que esperávamos. Amigos que se chatearam por não serem convidados, familiares que torceram o nariz à ideia de apanhar um avião para assistir ao nosso casamento (parecendo que não, havia malta com 90 anos), malta que opinou porque o tema era isto e aquilo, amigos altamente conservadores que achavam falta de respeito eu casar cheia de detalhes vermelhos, a dificuldade que foi arranjar um padre que nos fizesse um casamento católico ao ar livre no meio do campo cheio de vaquinhas, o choque quando souberam que toda a cerimónia religiosa ia ter direito a músicas natalícias, a logística de planear um casamento no estrangeiro… Até o facto de querermos um bolo só com éclairs deu confusão 😛

    No fim, fazia tudo outra vez. Caramba, fazia tudo mil vezes. Porque o meu casamento foi meu, foi nosso, foi exactamente a nossa cara. E, tal como tu, só tenho alguma pena por ter passado por tudo sozinha (vá, a minha mãe eventualmente embarcou na aventura e tornou-se ainda mais bridezilla do que eu!) 😛

    Obrigada por me fazeres reviver um momento tão especial 🙂 E muito boa sorte para o projecto 🙂 Portugal bem precisa! 😀

    1. Olá Joana! Obrigada pelo comentário. É assim mesmo. És uma rebel! 😀 Bem sei o que isso é.
      Tens fotografias do vosso dia? Podíamos mostrar o teu rebel wedding? Seria uma inspiração.
      Mil beijinhos e continua assim, forte e bonita!